Crutchlow diz que não se incomoda em ser piloto satélite

Piloto britânico coloca trabalho para Honda acima de tudo e acrescenta: “ser piloto de fábrica nem sempre é o que deveria ser”

Piloto satélite pela equipe LCR Honda desde o ano passado após uma passagem ruim pela Ducati em 2014, o britânico Cal Crutchlow defendeu sua posição na montadora japonesa. Para ele, estar na Honda mesmo que não seja na equipe de fábrica é uma grande responsabilidade e um privilégio.

"É uma grande equipe, não há dúvida sobre isso", disse Crutchlow ao Motorsport.com. "Vamos ver como nos damos neste ano, mas o apoio que recebo da Honda é fantástico”.

"Baseado no que acontece nas primeiras corridas, vamos tomar algumas decisões, mas no momento estou feliz com a equipe. Estou aqui este ano e, potencialmente, no próximo ano.”

"Uma moto de fábrica nem sempre é aquilo que deveria ser. Se eu estou confortável em como as coisas são em uma moto satélite, é onde vou estar feliz em ficar."

Trabalhando com a Honda

Crutchlow testou apenas a Honda de 2015 até agora nesta pré-temporada, concentrando-se principalmente em testes sobre o controle eletrônico de 2016.

Ele admite que boa parte de seu tempo foi gasto ajudando a Repsol Honda a resolver seus problemas com a nova central eletrônica única.

"Estamos, obviamente, sempre dispostos a trabalhar com a Honda para ajudá-los da melhor maneira possível, porque no final eles nos ajudam", explicou.

"Temos o nosso próprio programa, mas também tentamos outras coisas e é isso que estamos fazendo.”

"Mas precisamos continuar a fazer o que a Honda nos pede enquanto continuamos a trabalhar em nosso programa, porque nós estamos correndo por nós também."

Questionado se as mudanças de regra deste ano farão com que seja mais fácil para as equipes satélite competirem com as fábricas, Crutchlow acrescentou: "É uma tarefa difícil, porque eles ainda têm os melhores motores, os melhores chassis, tanques, assentos e tudo mais.”

"Esperamos que a eletrônica unificada nos traga para um pouco mais perto, mas os fabricantes têm a vantagem.”

Crutchlow foi batido pelo compatriota Bradley Smith no ano passado na competição particular entre os pilotos de motos satélites, mas ele assegura que isso não é importante.

"Eu realmente não me importo com isso", disse ele. "Com o pacote que eu tenho, tenho que me comparar com os pilotos de fábrica da Honda e não os pilotos de outras fábricas.”

"A meta é fazer o melhor trabalho que posso, ir tão rápido quanto possível e tentar voltar ao pódio."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias MotoGP
Pilotos Cal Crutchlow
Tipo de artigo Últimas notícias