Espargaró: “equipes satélite estão mais f*****s que em 2015”

Pol Espargaró, que é piloto oficial da Yamaha mas corre na Tech 3, equipe satélite da marca japonesa, pede que fabricante ofereça mais suporte para o time, que vem sofrendo com a falta de ritmo no início de 2016

Com a introdução da centralina padrão para todas as equipes da MotoGP neste ano, esperava-se um maior equilíbrio entre as equipes de fábrica e as satélite pelo menos neste início de temporada. Para a Tech 3, time satélite da Yamaha, a situação tem sido diferente.

A equipe francesa, que anda com a M1 de 2015 - moto campeã com Jorge Lorenzo - pilotada por Pol Espargaró e Bradley Smith, vem sofrendo para acompanhar o ritmo das rivais até o momento quando comparado com o mesmo período da temporada passada.

Ainda assim, Espargaró é o quinto colocado entre os pilotos após as quatro primeiras etapas de 2016, mais pela consistência do que pelo ritmo. O espanhol, que é piloto oficial da Yamaha, expressou frustração após terminar o GP da Espanha a 30 segundos de Valentino Rossi, o vencedor da prova.

Espargaró pediu mais apoio da fabricante japonesa para a Tech 3, especialmente para ajustar a centralina padrão e garantir que o time francês seja a equipe satélite a ser batida. “Com esta eletrônica, você precisa de mais gente trabalhando nela e não podemos ter 20 pessoas só de eletrônica", disse.

“Então, proporcionalmente, as motos de fábrica estão mais à frente e as equipes satélite estão mais f*****s que em 2015. Quando os pneus estão desgastados, a temperatura da pista é alta e a aderência é baixa, você precisa de uma moto excelente e muito bem ajustada. Precisamos de mais suporte, pois terminei a 30 segundos de Valentino em Jerez, uma distância muito grande.", afirmou.

Questionado pelo Motorsport.com se a frustração era ainda maior pelo fato de ele ser piloto contratado da Yamaha, Espargaró se mostrou resignado. "Um pouco, mas o que se pode fazer? Não posso roubar as motos oficiais", disse.

“Entendo que o foco deles seja as motos de fábrica, colocá-las em primeiro e segundo, como aconteceu em Jerez. Foi bom ter conseguido ser o melhor entre os times satélite, mas estamos sofrendo bastante para conseguir isso - especialmente contra as Ducati. Precisamos de mais apoio", afirmou.

Espargaró admitiu que o quinto lugar na classificação não reflete o ritmo da Tech 3 e destacou que preferia poder andar mais rápido do que simplesmente pensar não cometer erros. "Nossa prioridade agora é não cair, é terminar as corridas", disse.

“Talvez não sejamos muito velozes, mas temos sido consistentes e por isso estamos em quinto no campeonato. No entanto, esta não é a melhor maneira de ser quinto colocado. Eu não ligaria de ser sétimo colocado se estivesse apresentando melhor performance na pista", completou.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias MotoGP
Pilotos Pol Espargaro
Equipes Tech 3
Tipo de artigo Últimas notícias