Faltou uma equipe satélite em 2017, diz Suzuki

compartilhar
comentários
Faltou uma equipe satélite em 2017, diz Suzuki
Jamie Klein
Por: Jamie Klein
Traduzido por: Daniel Betting
30 de nov de 2017 20:59

Chefe da equipe na MotoGP disse que os resultados ruins na temporada mostraram que time precisa de uma equipe satélite para acelerar desenvolvimento

Davide Brivio, Suzuki MotoGP Team Manager
Alex Rins, Team Suzuki MotoGP
Andrea Dovizioso, Ducati Team, Andrea Iannone, Team Suzuki MotoGP
Andrea Iannone, Team Suzuki MotoGP
Bradley Smith, Red Bull KTM Factory Racing
Bradley Smith, Red Bull KTM Factory Racing

Desde o seu retorno à MotoGP em 2015, a Suzuki só teve suas duas motos de fábrica no grid, em contraste com as marcas concorrentes Honda, Yamaha e Ducati.

O fabricante de Hamamatsu enfrentou uma temporada tórrida este ano, recuperando as concessões técnicas que perdeu anteriormente depois de não conseguir subir no pódio com as novas contratações, Andrea Iannone e Alex Rins.

Davide Brivio, chefe da Suzuki, disse no início do ano que uma operação de equipe satélite não estava no horizonte, pois privaria a equipe de recursos - mas agora admitiu que a sua pobre campanha de 2017 pode mudar a situação.

"Este ano mostrou que faltava uma equipe satélite. Se tivéssemos mais dois pilotos na pista, poderíamos obter muito mais informações e provavelmente também teríamos sido úteis para o desenvolvimento.", admitiu Brivio.

"Nós gostaríamos de ter outra equipe nos ajudando, no apoiando, e esta é uma discussão em andamento dentro da fábrica. Espero que possamos ter, mas é bastante cedo para dizer”.

"Para a Suzuki, é difícil, porque nunca tivemos experiência em fornecer motos para outras equipes. Mas esperamos que possamos fazer um dia".

Aprilia também manifestou interesse em estabelecer uma equipe satélite, mas o diretor de corrida da marca italiana, Romano Albesiano, disse que não era uma "prioridade".

"Aprilia está, evidentemente, aberta ao fornecimento de uma equipe satélite no futuro", disse Albesiano. "Não é a prioridade, a prioridade agora é o desenvolvimento técnico”.

"Há coisas positivas e negativas para uma pequena estrutura, como nós temos. Você tem mais chance de obter um resultado com mais pilotos, mas também fica mais complicado, a organização das peças".

A KTM tem sido vinculada ao estabelecimento de uma operação satélite em 2019, potencialmente para permitir que Miguel Oliveira, da Moto2, suba para a categoria principal.

Mas o diretor de motorsport, Pit Beirer, diz que nenhuma das equipes existentes da MotoGP solicitou um empate com o fabricante austríaco.

"Não temos uma decisão clara tomada no momento. Em primeiro lugar, temos que trabalhar no desempenho e então temos que ver se alguém nos faz um pedido”.

"O plano é ter uma equipe satélite no futuro, mas depende do pedido. Esperamos um pouco mais e trabalhamos no nosso projeto número um".

Próxima MotoGP matéria
Honda e Yamaha negam interesse em Dovizioso

Previous article

Honda e Yamaha negam interesse em Dovizioso

Next article

"O objetivo para 2018 é vencer", diz engenheiro de Lorenzo

"O objetivo para 2018 é vencer", diz engenheiro de Lorenzo
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria MotoGP
Pilotos Andrea Iannone Shop Now , Alex Rins
Equipes Team Suzuki Ecstar MotoGP
Autor Jamie Klein
Tipo de matéria Últimas notícias