Michelin leva pneus com construção mais rígida para Austin

Com o objetivo de evitar os problemas vistos na Argentina, fornecedora de pneus da MotoGP reforçou construção de compostos traseiros para o GP das Américas

Após ser alvo de críticas no GP da Argentina devido ao incidente com Scott Redding, que sofreu um estouro no pneu traseiro, e obrigar a direção de prova a impor uma troca de moto na metade da prova, a Michelin tomou medidas para evitar novos incidentes negativos no GP das Américas.

A fabricante francesa vai disponibilizar para as equipes novos pneus, com uma construção mais rígida - a mesma que seria testada em uma sessão extra antes da prova em Termas de Río Hondo, o que acabou não acontecendo devido ao mau tempo.

“Decidimos trazer duas especificações, macios e médios, com uma carcaça mais rígida - a mesma que levamos para a Argentina e acabamos não usando devido à chuva. Ainda não sabemos o que causou o problema com Redding, mas estamos tranquilos para este final de semana", disse Piero Taramasso, chefe da Michelin na MotoGP.

Redding também foi questionado sobre o incidente e, para o piloto, o problema não está na rigidez da carcaça. "Não creio que seja algo relativo à carcaça, mas algo na manipulação dos materiais no momento da moldagem. O que aconteceu comigo foi que o pneu e a carcaça se descolaram", disse.

“Em alguns pontos do traçado na Argentina eu senti que o pneu traseiro tinha bastante movimento, o que influenciou no estouro. Não sei em que área eles (Michelin) precisam mexer, mas eles precisam fazer algo", completou.

Reportagem adicional por Charles Bradley

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias MotoGP
Evento GP das Américas
Pista Circuit of the Americas
Pilotos Scott Redding
Tipo de artigo Últimas notícias