Rea não acredita em oportunidade na MotoGP

Campeão da World Superbike acredita que seja improvável que receba uma oferta da MotoGP a esta altura da carreira

Jonathan Rea conquistou três títulos dominantes na World Superbike (WSBK) desde 2015, depois de passar da Honda para a Kawasaki.

Seu sucesso como piloto de superbikes significou que ele tem estado frequentemente ligado a uma oportunidade na MotoGP, tendo já disputado duas corridas em 2012, como substituto de Casey Stoner na Repsol Honda.

Assim como a maioria contratos dos pilotos da MotoGP, o acordo de Rea com a Kawasaki termina no final do ano, mas o piloto de 31 anos está convencido de que seja improvável que ele mude de categoria.

"Eu acho que seria muito difícil mudar para lá, para ser honesto", disse Rea ao Motorsport.com. "Eu não sinto como se houvesse alguma possibilidade de mudar.”

“Se fosse para a MotoGP, gostaria de estar com o melhor equipamento disponível. Eu sou três vezes campeão da Superbike, não tenho mais nada a provar.”

“Para ir lá e me comparar com os melhores pilotos do mundo, eu gostaria de fazer isso nas melhores máquinas. Mas eu não sinto que vou ter essa oportunidade.”

"Não acho que a coisa virá do meu jeito, que preencha todos os requisitos.”

“Na Superbike, tenho isso com a Kawasaki. Temos uma grande moto em que posso ganhar corridas e campeonatos, estou envolvido com a fábrica e, do ponto de vista do marketing, eles são ótimos. São 13 corridas por ano e isso realmente combina comigo também.”

Apesar de salientar que seus empresários irão explorar “todas as possibilidades”, Rea insistiu que competir na MotoGP nunca foi uma aspiração pessoal.

"Quando as opções vêm do meu jeito, eles têm que preencher todos os requisitos, ou eu não estarei interessado", disse Rea. "Não é algo para apenas estar lá.”

“Nunca foi minha ambição quando criança, cresci no motocross. Eu não estou motivado por perfil ou prestígio.”

“Eu só quero andar de moto e tentar vencer. Sinto que aos 31 anos não vou ter essa oportunidade na MotoGP. Mas vamos esperar e ver.”

No entanto, se ele assinar uma extensão de contrato com a Kawasaki, Rea não está convencido de que isso fecharia as portas definitivamente para as futuras perspectivas na MotoGP.

"Não me via correndo depois dos 33 ou 34 anos. Mas estou me divertindo muito e não vejo aposentadoria agora.”

"Quem sabe? Infelizmente, como piloto, você não pode escolher o que deseja fazer. Você tem que ir onde estão as oportunidades.”

“Talvez algo surja, mas agora estou muito feliz que a Kawasaki me deu a oportunidade de realizar meus sonhos. Eu sou grato a eles. A ideia seria continuar o que estamos fazendo.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias MotoGP , World Superbike
Pilotos Jonathan Rea
Equipes Kawasaki Racing
Tipo de artigo Últimas notícias