Rossi: "Não sei o que esperar quando subo na moto"

compartilhar
comentários
Rossi:
Oriol Puigdemont
Por: Oriol Puigdemont
Traduzido por: Daniel Betting
19 de fev de 2018 10:27

Valentino Rossi fechou os três dias na Tailândia com mais dúvidas do que tinha antes de iniciar os testes e problemas óbvios de aderência na traseira

Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing
Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing
Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing
Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing
Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing
Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing
Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing
Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing
Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing
Valentino Rossi, Yamaha Factory Racing

A Yamaha tornou-se um barril de pólvora nos últimos testes pré-temporada. No último dia de Sepang, os bons sentimentos do começo caíram e nos últimos três dias as coisas apenas pioraram.

Valentino Rossi reconhece que a Yamaha está perdida com a eletrônica. Para os técnicos da marca japonesa, está muito complexo encontrar uma solução. Pelo menos, o italiano vê o lado positivo desta situação e é que poderiam resolver o problema a qualquer momento.

"Eu estava mais feliz depois da Malásia porque meu ritmo era melhor", confessa. "Aqui tenho mais problemas, temos que trabalhar especialmente com a eletrônica. Dependendo de cada pista, as sensações mudam muito. Eu estava mais preocupado ontem. O grande problema é que você nunca sabe o que esperar, é como jogar cartas. As coisas mudam da manhã para a tarde, então imagine de um dia para o outro".

No sábado, Rossi começou o dia com bons sentimentos, melhorando os tempos do dia anterior. Mas à medida que a temperatura aumentava, ele começou a sofrer com os pneus. O piloto da Yamaha aponta para o pneu traseiro como o foco do problema.

"Posso entrar na curva e me sinto melhor na frente", disse ele, referindo-se às sensações com o chassi. "Nós sempre sofremos com o pneu traseiro, o problema está na aderência, se fosse mais fresco, poderia ir com o macio. A temperatura do pneu é muito alta, então tivemos que ir com o duro”.

O # 46 terminou o domingo em décimo, a sete décimos de Dani Pedrosa, o mais rápido. No entanto, se concentra pouco no tempo, pois reconhece que cometeu um erro na sua volta rápida.

"Hoje eu estava um pouco melhor, especialmente à tarde, fiz 1m30s5, mas naquela volta cheguei à última curva e eu poderia ter sido três décimos mais rápido, o que não teria sido ruim".

Sobre os problemas com a eletrônica, Rossi não confia em ter novidades até 1º de março nos últimos testes da pré-temporada.

"Sabemos que temos que trabalhar principalmente na eletrônica, mas acho que não haverá nada de novo no próximo teste do Qatar. Pode levar meses. Até este momento temos que confiar no destino", ironiza Rossi.

Próxima MotoGP matéria
Márquez: "Não estava atrás de uma volta rápida"

Previous article

Márquez: "Não estava atrás de uma volta rápida"

Next article

Teste da Tailândia foi meu pior na Yamaha, diz Viñales

Teste da Tailândia foi meu pior na Yamaha, diz Viñales
Load comments