Teste da Tailândia foi meu pior na Yamaha, diz Viñales

compartilhar
comentários
Teste da Tailândia foi meu pior na Yamaha, diz Viñales
David Gruz
Por: David Gruz
19 de fev de 2018 14:06

Espanhol expressa frustração por problemas recorrentes, cobra Yamaha, mas admite que esteja em cima da hora para soluções

Maverick Viñales afirmou que o teste da MotoGP na Tailândia foi “de longe o pior” para ele desde que chegou à Yamaha, já que enfrentou dificuldades no domingo depois de um sábado promissor.

O espanhol havia dito que encontrou a solução para os problemas de tração da YZR-M1, dizendo que a moto estava “suave”. Contudo, ele fechou os treinos em 12º no domingo e resumiu o treino como o seu pior desde que se juntou à Yamaha, no começo do ano passado.

“Para mim, foi de longe o pior teste. Até em relação à Malásia – aquele havia sido o pior que tive com a Yamaha e este foi ainda pior”, disse Viñales.

“Hoje, sofremos ainda mais do que ontem. Achei que tínhamos a solução, mas acabou que não [tínhamos]. Ainda nos falta um pouco em todas as áreas.”

Viñales revelou que voltou a usar o chassi de 2016 e que tentou ajustes que “nunca iríamos tentar”.

“Estou usando aquele chassi [de 2016] e não há solução. Não sei”, explicou. “Temos um motor diferente, uma eletrônica diferente, então não sei. Sinceramente, não sei.”

“Talvez seja melhor perguntar à Yamaha. Tentei muitas coisas nesses dois testes e não sei agora.”

“Com certeza continuaremos, mas não acho que o problema esteja na garagem. É algo a mais, porque tentamos de tudo na moto, ajustes que nunca iríamos tentar no ano passado porque era impossível dar certo.”

“Sinceramente, a Yamaha precisa perceber que temos um problema e eles precisam trabalhar.”

A MotoGP terá mais um teste no Catar antes do início da temporada, no mesmo local, mas Viñales acredita que esteja em cima demais para que a Yamaha arrume soluções.

“Talvez esteja muito perto, o teste. É difícil, porque talvez nós percebamos agora que temos um problema e falta só um mês para a corrida.”

Reportagem adicional de Oriol Puigdemont

Próxima MotoGP matéria
Rossi: "Não sei o que esperar quando subo na moto"

Previous article

Rossi: "Não sei o que esperar quando subo na moto"

Next article

Márquez: Honda escolheu seguir com motor “agressivo demais”

Márquez: Honda escolheu seguir com motor “agressivo demais”
Load comments