MEMÓRIA: O legado de Alan Kulwicki, 25 anos após morte

compartilhar
comentários
MEMÓRIA: O legado de Alan Kulwicki, 25 anos após morte
Tim Southers
Por: Tim Southers
1 de abr de 2018 15:18

No 25º aniversário de sua morte prematura, ex-funcionários e amigos do campeão da NASCAR de 1992 compartilham lembranças na esperança de educar uma nova geração de fãs sobre o que o tornou uma "zebra" tão especial

Alan Kulwicki wins the 1992 Winston Cup championship
Race winner Alan Kulwicki
Alan Kulwicki pits
Alan Kulwicki Champion
Alan Kulwicki Champion
Alan Kulwicki pits
Alan Kulwicki battles with Bill Elliott
Alan Kulwicki
Alan Kulwicki
Alan Kulwicki
Alan Kulwicki
Alan Kulwicki Champion

A temporada da NASCAR de 1993 foi uma das mais tristes da história do esporte, com as perdas de Alan Kulwicki em abril, no Tennessee, e de Davey Allison em julho em incidentes com aeronaves.

Kulwicki acabara de sair de um dos campeonatos mais improváveis já conquistados em qualquer tipo de esporte, cinco meses antes. Ele era conhecido como uma pessoa motivada, que fazia as coisas "do jeito dele" e esperava 100% de esforço o tempo todo daqueles que o cercavam.

Embora pudesse ter sido mal interpretado por alguns, os mais próximos a ele dizem que Kulwicki era tão concentrado em seus objetivos que ele não olhava para as coisas como os outros faziam quando estava começando sua carreira na Cup.

"Ele tinha um jeito de fazer todos ao seu redor melhor e trabalhar mais", disse Wayne Estes, presidente e diretor geral do Sebring International Raceway, que trabalhava como relações públicas da Ford em 1993. "Todos os caras da equipe trabalhavam duro e conseguiram fazer melhor seu trabalho e eu também, como pessoa de relações públicas, por estar perto de Alan.”

Kulwicki guiava o carro e, muitas vezes, calculava a quilometragem, as mudanças a fazer no carro durante a corrida e ouvia o som do carro para garantir que as coisas estavam do jeito que ele queria.

"Ele comandou a equipe do banco de piloto", disse Estes. “O que ele conseguiu foi tão improvável, em ganhar o título. Uma equipe daquele tamanho, com os recursos de um time top-10, mas Alan estava determinado a ser o melhor.”

Uma das pessoas que contratou foi o chefe de equipe Paul Andrews, que veio recomendado pelo amigo de Kulwicki e pelo membro do Hall da Fama da NASCAR, Rusty Wallace.

Andrews se lembra de trabalhar para Kulwicki e como ele "cresceu" na posição.

"Eu sinto que Alan contratou pessoas com base no potencial que ele sentia que tinha para preencher as necessidades que tinha para sua equipe", disse Andrews. "Eu não estava qualificado para ser um chefe de equipe quando comecei (trabalhando para Kulwicki), mas ele viu que eu tinha potencial e me deu uma oportunidade.”

“Alan era único. Ele podia ouvir coisas no carro enquanto dirigia e nos fez construir peças para não fazer certos barulhos para que ele pudesse se concentrar em ouvir o que o carro estava fazendo na corrida.”

Uma mente brilhante

A maioria dos pilotos hoje dirá que eles têm que correr duro a cada volta e permanecer focados na pista com as informações dadas a eles pelos chefes de equipe e spotters. Kulwicki tinha a capacidade de se concentrar em guiar e outros aspectos da equipe, enquanto estava no carro.

"Estávamos em corridas onde Alan estava calculando o consumo de combustível e pensando sobre o que fazer com o carro no próximo pit stop", disse Andrews. “Ele estava até imaginando quantas voltas ele precisava para liderar a corrida final em 1992, enquanto competia pelo campeonato. Ele só tinha essa habilidade para fazer tudo isso no assento de um carro de corrida.”

Kulwicki rapidamente ganhou a reputação de fazer as coisas do seu jeito e construir sua equipe a partir do zero. Quando ele ganhou o título de novato do ano, em 1986, ele tinha um pequeno patrocinador e dois empregados em tempo integral, além de si mesmo.

Estes ecoou os comentários sobre como muitos ex-membros da equipe de Kulwicki conseguiram sucesso nos anos seguintes na NASCAR depois de trabalhar com ele.

“Alan foi ótimo em pegar talentos crus e ajudá-los a se tornar melhor em tudo que faziam e eu só posso imaginar o que eles aprenderam trabalhando com ele, mas você pode ver suas carreiras depois que Alan faleceu”, disse Estes. "Paul (Andrew) e Tony Gibson alcançaram muito sucesso no esporte."

Ele tinha seus próprios caminhos

A carreira de Kulwicki foi interrompida devido à sua morte prematura em um acidente de avião, mas o que ele realizou em seu breve tempo na NASCAR Cup não pode ser ignorado. Ele teve cinco vitórias em 207 provas, com 75 top-10s e 24 poles, muitas vezes competindo em um orçamento que era a metade ou menos de seus concorrentes.

Uma de suas maiores conquistas também foi ganhar o prêmio de novato do ano na Cup em 1986, com um orçamento de cerca de 30% que seus principais competidores tinham para competir.

"Alan tinha seu próprio jeito de fazer as coisas, mas às vezes ele me escutava", disse Tom Roberts, que serviu como seu representante de relações públicas. “Geralmente conversávamos às terças-feiras depois de uma corrida.”

"Fiquei espantado com a forma como ele estava tão focado em trabalhar no carro, mas ele também estaria em sintonia com o que estávamos fazendo também."

Roberts, que se aposentou das funções de relações públicas em tempo integral há alguns anos, disse que Kulwicki era uma pessoa determinada em tudo o que fazia.

"Ele conversava com alguém e se concentrava em pensar sobre o que precisava fazer com o carro que as pessoas achavam que ele estava ignorando", disse Roberts. “O negócio é que Alan não estava tentando ser rude, ele estava sempre pensando em coisas para o carro e seu desempenho. Ele não tinha tempo para conversa fiada.”

Construindo confiança ... e uma carreira

Roberts, que agora atua como diretor executivo do Programa de Desenvolvimento de Pilotos Alan Kulwicki (fundado para ajudar jovens aspirantes a pilotos de stock na América do Norte), sentiu que seu histórico o ajudava a lidar com o jeito de Alan.

"Rusty Wallace tentou ajudar Alan quando pôde", disse Roberts. “Rusty ajudou Alan a garantir o patrocínio da Zerex e também recomendou Andrews como seu chefe de equipe.”

"Mas Alan estava sempre no controle e tinha a palavra final em tudo da equipe."

Roberts costumava escrever comunicados de imprensa para Kulwicki e enviar-lhe um fax para revisar e eles sempre conversavam toda semana.

"Tivemos um nível de confiança um com o outro e senti que Alan sabia que ele poderia confiar em mim para cuidar da equipe e sua carreira", acrescentou Roberts. "Ele sempre quis que tudo fosse correto."

Guiando para resultados

Alguns pilotos falam sobre marcar top-5 e top-10, além de ganhar, mas se Kulwicki sentisse que seu carro ou sua equipe deveriam ter feito melhor, um resultado entre os cinco primeiros não era aceitável para o perfeccionista atrás do volante.

"Antes de ele ter sua primeira vitória em Phoenix, em novembro de 1988, estávamos correndo em Martinsville, onde ele teve um pit stop terrível e algumas coisas deram errado", disse Roberts. “Alan ficou tão bravo depois, que ele disse a todos para não falar com ele, inclusive eu.”

Kulwicki usou essa raiva e frustração em uma performance que mostrava o quão talentoso ele era e quão duro ele poderia ser quando enfrentava a adversidade.

"Alan começou do lado de dentro da primeira fila como fazia naqueles dias, uma vez que não havia 'Lucky Dog' para recuperar sua volta perdida", disse Roberts. “Ele voltou á pista e terminou em segundo na corrida nas 130 voltas finais da prova sob bandeira verde.”

“Foi uma performance incrível, mas ele ainda estava muito furioso que dificilmente disse uma palavra depois daquela corrida.”

Robert também acrescentou que havia momentos em que ele marcaria um top-5, mas Kulwicki ainda não estava feliz.

“Na penúltima corrida de 1992, Alan terminou em quarto em Phoenix. Mark Brooks, filho do dono e patrocinador da Hooters, Bob Brooks, foi parabenizá-lo e Alan basicamente ignorou Mark. Eu tive que procurar Mark e explicar porque Alan estava tão frustrado.

Digno para Hall da Fama

Embora Kulwicki não tenha acumulado grandes números geralmente associados aos candidatos habituais ao Hall of Fame, os três entrevistados sentem que Kulwicki merece ser consagrado no Hall da Fama da NASCAR em Charlotte.

"O que ele fez em sua carreira, especialmente ao vencer o campeonato, foi tão inesperado e eu acho que você nunca verá alguém realizar o que ele fez (em 1992)", disse Estes.

Para Roberts, se trata de como Kulwicki chegou ao topo do que realmente chegar ao topo da NASCAR depois daquela fatídica corrida em 1992.

“Para um piloto-proprietário com recursos tão limitados, realizar o que ele realmente fez, é algo sobre o tipo de homem que ele era e, especialmente, como ele deveria ser bem sucedido quando poderia ter feito isso da maneira mais fácil, competindo para outra pessoa ”, disse Roberts.

"Ele estava determinado a fazer do seu jeito e isso é algo que eu sinto que deveria ser digno de fazer parte do Hall da Fama da NASCAR".

Andrews achava que, se Kulwicki ainda estivesse vivo, ele teria feito mais e ainda faria parte da NASCAR.

"Correr e ser bem sucedido nisso era tudo para Alan", disse Andrews. “Acho que ele teria ganho mais campeonatos e ainda estaria envolvido no esporte como proprietário de um time.”

"Eu também acho que as coisas no esporte poderiam ser um pouco diferentes se ele estivesse por perto, porque ele teria talvez uma ideia melhor sobre as coisas que poderiam ter ajudado o esporte."
Roberts pode ter resumido melhor.

"Alan era um dos melhores e nunca haverá outro piloto que tivesse todo o talento que Alan tinha para competir e também calcular em sua mente o que precisava ser feito para disputar vitórias", disse Roberts.

“Ele fez o trabalho que as equipes hoje provavelmente usam quatro ou cinco pessoas. Esse talento só aparece uma vez na vida.”

Próxima NASCAR Cup matéria
Sem mudanças, NASCAR divulga calendário da Cup de 2019

Previous article

Sem mudanças, NASCAR divulga calendário da Cup de 2019

Next article

Bowyer quebra jejum de 190 provas em Martinsville

Bowyer quebra jejum de 190 provas em Martinsville

Sobre esta matéria

Categoria NASCAR Cup
Pilotos Alan Kulwicki
Autor Tim Southers
Tipo de matéria Conteúdo especial