Opinião: Truex prova que “nunca desistir” não é clichê

Novo campeão da NASCAR e Furniture Row passaram por dramas antes de conquista

Muito se fala sobre o merecimento do título de 2017 de Martin Truex Jr. e ele é realmente verdadeiro em relação a números. Foram oito vitórias, 19 top-5, três poles e 2.253 voltas lideradas durante o campeonato que terminou no domingo.

Mas a história que acompanha o piloto de Mayetta, Nova Jersey, desde sua chegada à NASCAR mostra que ele, equipe e família representam o discurso que muitos podem considerar clichê, o de “nunca desista de seus sonhos.”

Bicampeão da Xfinity Series em 2004 e 2005, Truex teve o apoio da família Eanhardt não só no time que o abrigou na categoria que é considerada a segunda divisão da NASCAR, Truex também chegou a ser inquilino de Dale Jr na Carolina do Norte.

Com passagens na Dale Earnhardt Inc. , Truex teve grande destaque quando foi piloto da equipe de Michael Waltrip. Com o “Richmondgate” em 2013, caso que envolveu seu ex-companheiro de equipe, Clint Bowyer.

Após o escândalo, o caminho a seguir do novo campeão da NASCAR foi a Furniture Row, uma das poucas equipes que não estão sediadas na região de Charlotte, com história peculiar que merece explicação.

A Furniture Row é uma companhia de móveis localizada em Denver, no Colorado, que a princípio pretendia apenas patrocinar equipes na NASCAR. Com os valores acima do esperado, um dos donos, Barney Visser, achou melhor ele mesmo criar uma equipe da NASCAR, afinal, a publicidade que a categoria emprega poderia ajudar nos negócios, mesmo podendo ter dificuldades logísticas por conta da distância em relação aos times concorrentes.

Com carros na pista desde 2005 e com estrutura pequena, nomes importantes já passaram na Furniture Row, como Kurt Busch, Joe Nemechek e Regan Smith, antes de receber Truex desiludido pelo que ocorrera em 2013.

O ano de estreia não foi dos melhores, com apenas um top-5 e a 24ª posição no geral. Mas o ano de 2015 crava uma nova virada na carreira de Truex e do time. Mesmo com apenas uma vitória, em Pocono, ele conseguiu chegar à final em Homestead, terminando em último entre os finalistas e vendo o piloto que derrotou no domingo, Kyle Busch, levantar a taça.

No ano passado a equipe passou por uma mudança importante. Saia a Chevrolet e chegava a Toyota, como fornecedora de motores do time e a FRR se tornava uma espécie de equipe satélite da Joe Gibbs Racing. O que poderia ser algo preocupante, já que a Gibbs era – e ainda é – a principal representante da marca japonesa, o período de adaptação poderia prejudicar Truex. Mas isso não aconteceu, já que o piloto somou mais quatro vitórias na carreira, se tornando a melhor temporada dele, apesar de não chegar à final na Flórida, quando Jimmie Johnson fez história com o heptacampeonato.

O ano de 2017 trouxe uma novidade para a NASCAR, a corrida dividida em três fases, com pontuação extra para quem vencesse os dois primeiros segmentos. Truex e Cole Pearn, chefe de equipe, demonstraram que entenderam a importância da novidade. Além de vencer por sete vezes antes da final, o carro #78 ganhou incríveis 19 segmentos, o que ajudou na chegada a Homestead com os pontos de playoff.

Mas para quem achava que Truex não passou por dificuldades se enganou. Em 2014, Sherry Polex, companheira de Truex foi diagnosticada com câncer no ovário, logo ela que junto com o piloto fundaram a Martin Truex Jr Foundation em 2007, justamente para ajudar pessoas com câncer. Em algumas oportunidades, Sherry não pôde acompanhar o namorado por ter compromissos e cirurgias no combate à doença.

Com batalhas dentro e fora das pistas, Truex e o time tiveram que lidar também com a morte de um de seus membros mais queridos, James “Jim” Watson, de 55 anos, no final de outubro, antes da etapa do Kansas, que teve a vitória do #78.

Mas, um novo obstáculo emocional seria colocado no caminho: Barney Visser, dono da equipe teve um ataque cardíaco, sendo internado às pressas, o impedindo de ir até Hometead acompanhar a prova final.

Mesmo com o piloto campeão, a Furniture Row decidiu que em 2018 voltará a ter somente um carro no grid, já que Erik Jones, que fez companhia a Truex em 2017 no carro #77, irá para a Joe Gibbs no lugar de Matt Kenseth, que, por falta de patrocínio, terá que se aposentar da categoria, mostrando que mesmo chegando ao ápice - de uma equipe que começou largando e logo estacionando seus carros para garantir o dinheiro da premiação - cada passo deve ser dado um de cada vez, superando todos obstáculos que são impostos, por mais que pareçam grandes e, obviamente, nunca desistindo dos sonhos.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias NASCAR Cup
Pilotos Martin Truex Jr.
Tipo de artigo Análise