Categoria feminina de monopostos é lançada para 2019

compartilhar
comentários
Categoria feminina de monopostos é lançada para 2019
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
10 de out de 2018 11:45

W Series terá apoio de grandes nomes do automobilismo mundial e visa levar mulheres para a F1

A W Series, novo campeonato internacional de monopostos feminino, deverá ser lançada no próximo ano com o objetivo de ajudar as mulheres no seu caminho para a Fórmula 1.

A nova categoria, que usará carros idênticos da Tatuus F3, tem o apoio do ex-piloto de F1 David Coulthard e um prêmio de US$ 1.5 milhão.

O vencedor da categoria ganhará US $ 500.000 para ajudar a financiar seu próximo passo na F1.

A série terá seis etapas, será lançada em maio de 2019 e conta com corridas de 30 minutos em toda a Europa, com uma delas realizada no Reino Unido. A futura expansão na Austrália, Ásia e Américas é esperada a longo prazo.

As mulheres que competirem na W Series não terão que trazer patrocínios, mas terão que provar sua habilidade em um processo de seleção intensivo para garantir que o grid esteja repleto dos melhores talentos possíveis.

Entre os juízes estão incluídos David Coulthard, o ex-chefe da equipe da F1, Dave Ryan, e o designer Adrian Newey, que é membro do conselho consultivo.

Falando sobre as razões para ajudar a criar uma categoria só de mulheres, Coulthard disse: “Nós da W Series acreditamos firmemente que pilotos de corrida femininos e masculinos podem competir uns com os outros em igualdade de condições, dada a mesma oportunidade.”

“No momento, porém, as mulheres tendem a atingir um 'teto de vidro' em torno do nível GP3 / Fórmula 3 em sua curva de aprendizado, muitas vezes como resultado da falta de financiamento e não da falta de talento.”

“É por isso que é necessária uma nova categoria de monopostos para estabelecer um habitat competitivo e construtivo de automobilismo no qual nossos pilotos poderão se equipar com o conjunto de habilidades necessárias para seguir em frente.”

A CEO da W Series, Catherine Bond Muir, que ajudou a montar o financiamento, acrescentou: “Há muito poucas mulheres competindo em monopostos no momento. A W Series aumentará esse número de forma muito significativa em 2019, liberando poderosamente o potencial de muitas delas.”

“As pilotos da W Series se tornarão superstars globais, modelos inspiradores para mulheres em todos os lugares e todas as organizações, empresas, patrocinadores e todas as pessoas que ajudarem as vencedoras e campeãs da W Series a alcançarem esses sucessos inovadores poderão celebrar suas conquistas.”

“A W Series é uma inovação inspiradora cuja hora é agora.”

Newey disse que sentiu que não havia razão para as mulheres não terem sucesso na F1.

"Acredito que a razão pela qual tão poucas mulheres correrem é a falta de oportunidade, e não a falta de capacidade", disse ele.

“E é por isso que estou muito contente por estar envolvido na W Series, para fazer o que posso para contribuir para a criação de uma plataforma na qual as mulheres possam melhorar, competindo umas com as outras.”

Próxima Other open wheel matéria
Automobilismo brasileiro lança Fórmula Academy Sudamericana

Previous article

Automobilismo brasileiro lança Fórmula Academy Sudamericana

Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Other open wheel
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias