Otávio Mesquita: "na pista, não tem moleza, vou pra cima"

compartilhar
comentários
Otávio Mesquita:
7 de ago de 2016 16:09

Apresentador, que atualmente compete na Porsche GT3 Cup Challenge, fala sobre sua paixão pelo automobilismo, o carro de Giancarlo Fisichella que tem pendurado em sua sala e um feito inédito pela F1

Otávio Mesquita em Interlagos
Otávio Mesquita entrevista Nelson Piquet
Otávio Mesquita entrevista Nelson Piquet e Wilson Fittipaldi
Otávio Mesquita em Interlagos
Otávio Mesquita em Interlagos
Otávio Mesquita em Interlagos

Quem compareceu ao autódromo de Interlagos neste fim de semana para acompanhar a primeira etapa de endurance da Porsche GT3 Cup Challenge viu uma figura conhecida de macacão, mas também empunhando um microfone à frente de uma equipe de TV: Otávio Mesquita.

Não é a primeira e certamente não será a última que o apresentador do "OK, Pessoal", do SBT, faz jornada dupla em um fim de semana. O próprio Otávio coloca no mesmo patamar o sonho de ser piloto e também de ser conhecido.

"Sempre sonhei quando criança em ser piloto de F1, aliás, eu tinha dois sonhos: ser piloto e outro ser famosinho", brincou Otávio. "O primeiro não deu certo e o segundo ainda está em curso. Eu tinha um foco, que era pilotar carros e tornei esse sonho em hobby. E como esse hobby é caro, tive que ir atrás de business para dar certo."

Além da presença nas pistas, ele é conhecido pela vasta coleção de artigos referentes ao automobilismo. Entre os mais importantes certamente é uma Jordan de 2003, com a qual Giancarlo Fisichella venceu o GP do Brasil em 2003. Foi o primeiro êxito, de três, do italiano, em uma prova marcada pelo forte acidente de Fernando Alonso, interrompendo a corrida de maneira definitiva nas voltas finais.

Mas se engana quem acredita que a história de Mesquita com o carro começa a partir daquele GP.

"Quando fiz 40 anos eu ia fazer uma festa em casa, gastar muita grana, mas decidi pegar esse dinheiro e realizar meu sonho", explicou. "No ano 2000 andei com a Benetton do Giancarlo Fisichella em Magny Cours, na França. Realizei esse sonho, os caras me acharam maluco."

E na explicação, uma revelação surpreendente: "fui o primeiro piloto brasileiro a andar de F1 sem ter a superlicença, isso é histórico para mim."

"Achei o carro dele de 2003, o que venceu o GP do Brasil, aquele que teve um grande acidente com o Fernando Alonso. É um carro importante, mandei as fotos para o escritório dele e disse: 'eu sou do Brasil, estou com o carro e estou vendendo'."

"Depois disso fiz uma festa para 250 pessoas, com grandes nomes, como o Emerson Fittipaldi, e mostrei o carro pendurado na parede. Disse a ele que o carro não estava à venda: 'assina aí e não enche meu saco'", brincou.

Mas se Fisichella acha que pode dar adeus à relíquia, um alento. Ele pode se reencontrar com o carro de maneira definitiva, mas alguém terá que morrer e o italiano terá que preparar o bolso.

"Como o carro tem valor somente para ele e para mim, deixei registrado que caso eu morrer antes, que oferecesse o carro a ele, mas que depositasse um valor para o GRAAC (Grupo de Apoio ao Adolescente e a Criança com Câncer), que é a instituição que ajudo."

Preconceito

Mesquita também falou sobre o fato de estar na TV e nas pistas. Será que o irreverente apresentador sofreu algum tipo de preconceito pelos adversários?

"No começo o pessoal dizia 'ah, o Otávio está aqui para brincar' e não botavam fé. Hoje não. Na hora de gravar eu sou o apresentador, quando vou para a pista, hoje me respeitam. Não tem moleza não, vou para cima."

Next article
Na estratégia, dupla Khodair/Hahn vence em Interlagos

Previous article

Na estratégia, dupla Khodair/Hahn vence em Interlagos

Next article

Na reta final, Porsche GT3 Cup tem penúltima etapa sprint

Na reta final, Porsche GT3 Cup tem penúltima etapa sprint
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Porsche
Pilotos Otávio Mesquita
Tipo de matéria Últimas notícias