Barrichello poderá correr mais de uma etapa, revela chefe de equipe

Ao TotalRace, chefe da equipe da Stock Full Time Medley, Maurício Ferreira, disse que tudo dependerá de adaptação ao carro

Maurício, Rubinho e Xandinho

Após o anúncio de que Rubens Barrichello faria sua estreia na Stock Car na Corrida do Milhão, começaram os boatos de que o piloto da F-Indy poderia correr mais de uma prova na categoria. Procurado pelo TotalRace, o chefe de equipe da Full Time Medley, Maurício Ferreira, disse que, dependendo do caso e da adaptação de Rubens, é plausível que ele estenda sua participação. "Nosso acordo é para correr a última, mas ele fará um treino de adaptação neste próximo dia 15 em Curitiba. E é impressionante que ele é um cara fominha por correr, apaixonado por velocidade. Se ele se sentir bem e julgar importante ter uma experiência antes da Corrida do Milhão, pode ser que ele faça mais uma corrida", revelou Ferreira.

Rubens disputaria uma etapa antes da Corrida do Milhão para adaptação, já que o piloto nunca correu neste tipo de carro, o que requer um pouco mais de contato para conseguir extrair o 100%. A decisão deve sair após o teste. "Vamos dar uma estudada no quesito adaptação com ele. A Stock percorre num fim de semana de prova cerca de 300 km, e no fim de semana da Corrida do Milhão, esse número chega a 500 km, ou seja, é uma quilometragem muito baixa para uma pessoa correr e ficar adaptada. Estamos estudando e só teremos uma resposta mais definitiva após o treino", revelou, completando o que representa para a Stock Car a chegada de um piloto do naipe de Barrichello. "O principal piloto brasileiro em atividade, com um currículo ímpar, na maior categoria do automobilismo brasileiro. Isso é uma junção de dois fatores leais, interessantes e que só tende a somar tanto para ele, quanto à Stock Car", finalizou.

Número 17

Rubens Barrichello já sabe com que número correrá na Stock Car. O brasileiro irá competir com o 17, imortalizado por Ingo Hoffmann que, em três décadas na categoria, conseguiu 12 títulos e 76 vitórias.

"Na verdade, não a Stock, mas minha vida começou com o primeiro capacete dado pelo Ingo", falou Rubinho, que relembrou que, na Fórmula 1 já utilizou o capacete o ídolo no GP do Brasil de 2008: "Já fiz uma homenagem a ele quando corria pela Honda. É uma homenagem merecida a um cara que fez tanto pela Stock Car.", disse.

Rubens ainda brincou dizendo que seu número favorito é o 11, mas que está atualmente com Nonô Figueiredo: "Quando ele não quiser, eu peço".

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Stock Car Brasil
Tipo de artigo Últimas notícias