Chefe da Stock diz que entrada de montadoras não é prioridade

Maurício Slaviero comemora sucesso de novo formato e crava: “pilotos de fora já procuram times para participar da prova de duplas”

Dirigente da Vicar, empresa que atualmente gere a Stock Car, Maurício Slaviero promoveu uma verdadeira revolução nos formatos esportivos e de transmissão da categoria. As corridas, que eram exibidas apenas na Globo pela manhã com pouquíssimo tempo, deram lugar desde 2013 a transmissões bem aprofundadas de classificação e corrida no SporTV.

Em 2014, a categoria adotou um novo formato de provas, com rodadas duplas e corridas de duplas com pilotos de fora – além da Corrida do Milhão.

Para Slaviero, tudo o que foi feito até agora ajudou a deixar a categoria ainda mais popular, apesar de temer um pouco a queda de audiência da Fórmula 1 no mundo.

“Estamos com cada vez mais tempo de TV no SporTV, que é um canal que tem crescido bastante pela popularização da TV a cabo no Brasil. Estamos também com a visibilidade na Globo, que é forte e nos ajuda”, disse ao Motorsport.com.

Slaviero também sublinhou a vinda de Rubens Barrichello. “O Barrichello estar aqui é algo que também colabora. Mais pessoas que não nos conheciam passaram a nos ver.”

“Ter um evento com muitas categorias juntas ajuda também, porque o fã se interessa no pacote – ele não vem aqui para ver uma corrida de 40 minutos apenas. Estamos também fazendo um trabalho muito forte nas redes sociais, que estão crescendo bastante.”

Questionado sobre como pretende fazer a Stock Car ser o segundo esporte do Brasil, como chegou a dizer recentemente, ele crê estar indo no caminho certo. “Queremos continuar desenvolvendo os trabalhos que estamos desenvolvendo hoje.”

“Para conseguirmos chegar nisso, temos de ter mais pessoas acompanhando a Stock Car. Temos de nos renovar e fazer coisas novas. Colocamos rodadas duplas e a prova com os pilotos de fora, o que ajudou. Acho isso importante para aumentar a visibilidade da categoria. A corrida das duplas mostra a força da categoria e dá relevância lá fora.”

Segundo ele, o sucesso da corrida de duplas já faz pilotos estrangeiros se interessarem cada vez mais. “Tem pilotos de fora que já procuram equipes para correr. Querem conhecer a categoria. Muita gente veio para cá e gostou. Esse 'boca a boca' entre os pilotos no automobilismo é muito forte.”

Interesse em montadoras

Para Slaviero, com a atual competitividade da Stock Car, ter montadoras na categoria não é uma prioridade.

“Isso depende muito de uma parte comercial ligada às montadoras. Querermos algo é muito diferente de conseguir fazer. Hoje, com o formato que se tem na Stock Car, temos muito equilíbrio, muita disputa e muita competitividade. Se formos mudar, tem de ser para um formato que continue privilegiando isso.”

“Mas claro, sempre quisemos ter montadoras aqui. Se para ter mais montadoras aqui precisarmos que cada uma tenha seu motor, faremos isso um dia. Mas isso depende de muita coisa. O resumo é o seguinte: se um dia for para ter montadoras aqui, vamos partir para isso. Mas tem de fazer sentido.”

“Depende mais delas do que de nós. O trabalho é constante e a gente nunca para. Estamos sempre trabalhando e conversando. Elas terem vindo para o Brasileiro de Marcas ajudou bastante, aproximou elas de nós. E o evento estar na Stock Car também ajuda bastante. É uma soma de coisas.”

Os embaixadores

Após uma era marcada por Ingo Hoffmann, Paulo Gomes e Chico Serra, Slaviero vê vários pilotos como bons embaixadores da categoria atualmente.

“Temos hoje gente muito forte. Ricardo Maurício, Cacá Bueno, Rubens Barrichello, Thiago Camilo, o próprio Daniel Serra, Allam Khodair... Mas é difícil fazer uma lista, são vários. Mas acho que eles já são grandes embaixadores.”

“E temos pilotos campeões e pilotos que ainda não foram, como Camilo e o Átila Abreu. Nos vejo bem neste quesito.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Stock Car Brasil
Tipo de artigo Entrevista