Di Grassi volta a discordar de acordo Petrobras/McLaren

Em Interlagos, onde fará sua estreia na Stock Car, atual campeão da Fórmula E diz que petrolífera brasileira deveria apoiar automobilismo nacional e pilotos brasileiros

No mês passado, um dia após o anúncio da parceria e patrocínio da Petrobras com a McLaren, Lucas di Grassi disse em seu Twitter que a decisão da empresa brasileira era um “absurdo completo”.

Nesta quinta-feira, no Autódromo de Interlagos, onde se prepara para sua estreia na Stock Car, Di Grassi conversou com o Motorsport.com Brasil e voltou a disparar contra a parceria da estatal brasileira com a equipe inglesa, principalmente após os escândalos de corrupção envolvendo a companhia.

“Uma empresa pública não deveria patrocinar esportes de alto rendimento caros, sendo que não haverá desenvolvimento tecnológico. Eles ficaram três anos na Williams, não forneceram combustível, não forneceram óleo e não alcançaram a performance. Neste contrato com o motor Renault da McLaren, neste primeiro ano, também não vão usar óleo nem combustível Petrobras”, disse.

“Então, eu acho que uma empresa pública, com o escândalo que teve, com o subsídio do diesel, falar que é brasileira otimizada, não é. Ela é otimizada porque detém o monopólio. Se abrisse a concorrência de petróleo seria outra história”, completou.

Para o atual campeão da Fórmula E, o dinheiro investido na equipe de Woking deveria ser revertido em incentivo para jovens que queiram ingressar no automobilismo.

“Uma empresa ineficiente como a Petrobras patrocinar a McLaren, sem desenvolvimento tecnológico e sem apoiar nenhum brasileiro, para mim não faz sentido. Com esse capital investido na McLaren, a gente poderia dar chance para vários meninos, que nunca sentaram em um kart aqui no Brasil”.

“Se ela fosse uma empresa privada, com uma gestão privada e eficiente, que quisesse montar uma equipe e que estivesse em uma situação econômica adequada e gerando lucro, não teria problema nenhum. Agora, uma empresa que perdeu dez vezes o seu valor de mercado nos últimos cinco anos, sem apoiar nenhum piloto brasileiro e o automobilismo brasileiro, apoiar uma empresa inglesa e tirar o capital do país, eu sou contra”.

Di Grassi encerra dizendo que a Petrobras deveria apoiar o automobilismo brasileiro, se quiser estar no esporte a motor.

“Essa é a minha crítica. Não tem nada a ver com a McLaren ou com o fato de não ter piloto brasileiro na Fórmula 1. A Petrobras, se quiser estar no automobilismo, deveria incentivar principalmente o automobilismo brasileiro”, concluiu.

Entrevista para Gabriel Lima

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Stock Car Brasil
Evento Interlagos
Pista Autódromo José Carlos Pace
Pilotos Lucas di Grassi
Tipo de artigo Últimas notícias