“Não fiz uma temporada de Cacá Bueno”, reflete pentacampeão

Carioca comenta fase de adaptação à estrutura de quatro carros da Cimed Racing e foca na luta do título para 2018

Após uma mudança de ares dentro da Stock Car de 2016 para 2017, Cacá Bueno esperava mais do que o que apresentou até aqui em seu primeiro ano de parceria com a Cimed Racing. O piloto do carro #0 foi a alguns pódios durante o ano, mas não conseguiu vitórias e nem poles, o fazendo no momento ocupar o sexto lugar no campeonato de pilotos.

O pentacampeão confessou que queria mais, mas apontou motivos para a falta de velocidade neste ano, sobretudo em classificações.

“Não foi uma temporada no nível que as pessoas esperavam e nem que a gente esperava”, iniciou Cacá ao Motorsport.com.

“A expectativa afeta às vezes a realidade, eu sempre digo. A Cimed tem pilotos em quarto, sexto e oitavo no campeonato. Então, não é ruim, mas não estamos brigando pelo título. Não é uma temporada de Cacá Bueno. Não é o que se esperava de Cacá Bueno dentro da equipe bicampeã Cimed.”

“Eu também esperava mais. Eu quero mais, e vamos trabalhar para isso em 2018. Não foi algo ruim, mas não foi do nosso nível. Estou na frente do Marcos Gomes, do Barrichello e do Ricardo Maurício. Estou brigando com Átila, com o Max Wilson e com o Fraga pelo terceiro. Não é uma temporada dolorosa, mas queríamos mais.”

“Faltou velocidade de classificação, mas acho que encontrei um balanço bom para a corrida.”

“Está normal me ver largando em 12º ou 16º e me ver chegando em 6º ou 5º. Mas só depois você se dá conta: ‘olha, o Cacá está ali’. A gente teve regularidade, mas não velocidade. E com muita gente boa, você tem problemas para avançar na corrida. O Daniel é o líder do campeonato porque classifica sempre na frente.”

Cacá diz que a troca de bolhas da Cimed, indo de Peugeot – que saiu da Stock Car – para Chevrolet, atrapalhou o início do ano.

“Eles vieram de um bicampeonato trabalhando em uma equipe pequena, e aí aumentaram a estrutura.”

“Aí mudou a bolha – e isso foi o que mais afetou. Não que o Peugeot fosse melhor que o Chevrolet, mas eles estavam trabalhando desde o início com a Peugeot. Aerodinâmica e acerto. Começamos um passo atrás.”

“Nós começamos atrás de alguns times, passamos eles e agora estamos começando a nos destacar. Avançamos mais do que os outros, mas não o suficiente. Vamos ter o verão para os engenheiros analisarem todos os dados, e no ano que vem a gente vai pela segunda vez às pistas onde aprendemos os acertos neste ano. Onde repetimos, que foi Goiânia, fomos melhor.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Stock Car Brasil
Evento Interlagos
Pista Autódromo José Carlos Pace
Pilotos Caca Bueno
Tipo de artigo Entrevista