Stock muda pontuação e desvaloriza Corrida de Duplas

Com apenas seis pontos para o primeiro colocado e somente top-6 pontuando, categoria faz 17º em outras provas valer mais que triunfo

A temporada 2016 da Stock Car começa na semana que vem naquela que promete ser a última corrida da história da categoria no Autódromo Internacional de Curitiba (PR). A pista, localizada em Pinhais, sediou até hoje nada menos que 52 provas da Stock Car em toda a sua história. Com este número, o circuito só está atrás de Interlagos em quantidade de corridas disputadas (126).

Para esta provável despedida, a Vicar – organizadora do campeonato – decidiu realizar a Corrida de Duplas, anteriormente disputada em Interlagos e em Goiânia, no circuito paranaense.

Uma boa homenagem à pista que tem tudo para sucumbir à pressão do negócio imobiliário na região? Quase.

Alardeada como uma das grandes novidades da categoria há três anos, a Corrida de Duplas foi uma bela sacada de marketing e já atraiu grandes nomes das pistas —basta lembrar, por exemplo, da junção Senna-Prost sob as cores da Prati-donaduzzi no ano passado em Goiânia.

Mesmo assim, a prova era disputada com pontuação bem baixa se comparada ao resto da temporada. Eram 12 pontos para o primeiro que decresciam até um ponto para o 12º lugar. Uma prova normal dava o dobro para o vencedor, 24, e tinha pontuação até o 20º lugar.

Neste ano, segundo regulamento divulgado hoje – a uma semana da abertura – a categoria desvalorizou de maneira cruel a Corrida de Duplas. Agora, apenas o top-6 pontua. Seis pontos para o primeiro até apenas um para o sexto. Ou seja, um 17º em uma corrida normal (Corrida 1 ou Corrida do Milhão) dará mais pontos do que uma vitória na Corrida de Duplas - sete. Vencedores de Corridas 1 e da Corrida do Milhão receberão 30 pontos. De Corrida 2, 15.

Falando sob condição de anonimato, alguns pilotos ficaram desapontados com o fato. 

“Se essa regra tivesse sido divulgada antes, acho que não sairia meu salário”, argumentou um convidado confirmado no grid. 

“É claro que, para o convidado, o que vale é lutar pela vitória levando o carro inteiro até o final para ajudar o companheiro que disputa a temporada. Na hora da corrida a gente não faz conta. Mas com poucos pontos em jogo acho que não motiva tanto os patrocinadores a investir como fizeram no passado.”

Outro fato que pode pesar para esvaziar a prova de despedida do Autódromo Internacional de Curitiba é a gestão dos pneus, conforme relato de um piloto regular da Stock Car. Ele lembra que o regulamento técnico de 2016 permite 80 jogos de pneus por carro, ou 20 jogos de slick zero, para as 12 etapas (contra 27 de 2015). Para a corrida de abertura da temporada, serão dois jogos novos. 

“A economia de pneus será ainda mais importante em 2016. Então como apenas seis carros pontuam na prova de duplas, e pouco, um convidado que venha em décimo lugar por exemplo ou mais pra trás provavelmente vai ajudar mais seu companheiro abandonando a prova e salvando o jogo de pneu para o resto do ano que se matando para terminar em sexto e levar só um ponto para casa”, observou o piloto da Stock Car.

Além da pontuação baixa, pilotos titulares e patrocinadores também se ressentem do fato de não haver previsão de transmissão da prova ao vivo pela TV Globo, o que naturalmente reduz a exposição de seus carros.

Procurada pelo Motorsport.com, a Vicar informou que maiores detalhes sobre a prova de duplas e o campeonato serão passados na segunda-feira por seu diretor geral, Maurício Slaviero, por uma entrevista pelo Periscope no Twitter.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Stock Car Brasil
Tipo de artigo Comentários