Rebellion pode voltar à LMP1 em 2018/2019

Equipe anglo-suíça deve retornar à LMP1 privada na supertemporada do WEC em 2018/2019

A Rebellion, campeã da LMP2 com Bruno Senna, após a etapa do Bahrein no último fim de semana, admitiu que deve retornar à classe que esteve entre 2012 e 2016.

O diretor do time, Bart Hayden, disse ao Motorsport.com: “Há um apetite na Rebellion para fazer a P1 novamente, mas ainda não há uma decisão até este momento e não deve sair até o meio de dezembro.”

Hayden descartou o uso do chassi desenvolvido pela R-One, que a equipe utilizou entre 2014 e 2016, com unidades da Toyota e AER.

Perguntado se a Rebellion iria atrás dos chassis da Ginetta ou da BR Engineering, Hayden respondeu: “Acho que queremos nosso próprio carro.”

A continuação do relacionamento com a Oreca, que permaneceu com a mudança da equipe para a P2 nesta temporada parece provável, embora o construtor francês ainda não se comprometa a ser capaz de produzir um novo carro P1 a tempo para começar o início da próxima temporada.

O diretor técnico da Oreca, David Floury, disse que não havia "nenhuma decisão" sobre um possível projeto para a P1 e admitiu que enfrentaria uma corrida contra o tempo para preparar um carro para o início da temporada 2018/19.

Hayden disse que preferiu usar um motor normalmente aspirado após as experiências da equipe com a unidade AER turbo em 2015-16.

As opções incluem o Gibson 4.5-litros V8 que a DragonSpeed usará no seu BRE BR1, o novo Judd V10 anunciado em outubro ou um motor desenvolvido pela Neil Brown Engineering fora do motor de 4 litros DTM V8.

Hayden afirmou que também havia uma série de outras opções na mesa para a equipe, que incluiu continuar na P2 no WEC e mudar para a European Le Mans Series.

Ele descartou novamente a utilização de um carro no WeatherTech SportsCar se a equipe permanecer na P2.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias WEC
Equipes Rebellion Racing
Tipo de artigo Últimas notícias