Alonso crê que previsibilidade da F1 nunca vai acabar

compartilhar
comentários
Alonso crê que previsibilidade da F1 nunca vai acabar
Pablo Elizalde
Por: Pablo Elizalde
8 de jun de 2018 11:41

Espanhol acredita que a F1 "nunca vai mudar", lamentando como "previsível" o esporte se tornou nos últimos anos

#8 Toyota Gazoo Racing Toyota TS050: Fernando Alonso
Fernando Alonso, McLaren, signs autographs for fans
Fernando Alonso, McLaren, signs autographs for fans
Fernando Alonso, McLaren, hat detail
Fernando Alonso, McLaren, signs autographs for fans
Fernando Alonso, McLaren
Fernando Alonso, McLaren, shoes celebrating his 300th Grand Prix appearance
Fernando Alonso, McLaren

Fernando Alonso tem sido um dos maiores críticos da F1 moderna, especialmente desde o início da era híbrida que tem sido dominada pela Mercedes.

Enquanto o piloto que fará seu 300º GP no Canadá insiste que não está entediado com a F1, o espanhol reiterou sua crença de que a previsibilidade das corridas atuais é triste.

Quando perguntado se ele estava entediado da Fórmula 1, Alonso disse: "Não, não estou entediado. É obviamente a primeira categoria no automobilismo, mas é verdade que nos últimos anos, especialmente com a era turbo, as coisas são muito previsíveis.”

"Há 21 corridas e todos nós sabemos nesta tabela o que vai acontecer nas próximas 14. Isso é muito triste para o esporte."

Ele acrescentou: "No esporte em geral, você pode jogar basquete e uma noite você tem uma noite mágica e você faz 80 pontos e talvez você ganhe o jogo junto com seus companheiros de equipe.”

"Na Copa do Mundo, há alguns favoritos, mas ninguém pode garantir que a Alemanha, o Brasil e a Espanha ganhem a taça. Talvez, mas talvez não.”

"Enquanto aqui todos podem garantir que a Mercedes ou a Ferrari vença a corrida."

No início deste ano, os chefes da F1 delinearam sua visão para o futuro do esporte para quando os contratos comerciais e de motores existentes expirarem no final de 2020.

Alonso acredita, no entanto, que nem mesmo as mudanças propostas para 2021 conseguirão sacudir a ordem.

"Provavelmente isso nunca vai mudar", disse ele. "Eu me lembro em 2009 na Renault de que não éramos muito competitivos e ainda fizemos alguns treinos ou classificação porque queríamos testar os pneus e algo assim, e éramos primeiros.”

"Não era nada, mas era um presente para os mecânicos e para os patrocinadores. Agora podemos fazer o que for amanhã que não seremos P1, porque as diferenças são enormes.”

"Agora é só um trem de carros a cada duas semanas."

Alonso, cujo futuro além deste ano permanece desconhecido, competirá nas 24 Horas de Le Mans na próxima semana com a Toyota como parte de sua campanha no Campeonato Mundial de Endurance.

O bicampeão mundial diz que seu atual programa duplo parece ter se concentrado apenas na F1 antes.

"Provavelmente até alguns anos atrás eu estava tão focado na F1 que eu não via outras categorias. Agora que eu as vejo você volta a como deveria ser, de certa forma.”

"Se você tem um bom dia você é o primeiro e se você tem um dia ruim ou um erro você é o quarto. Aqui você é P7 se você tiver um bom ou mau dia", disse ele.

Relatos adicionais por Adam Cooper

Próxima Fórmula 1 matéria
Sem peças, Haas pede para que pilotos evitem acidentes

Previous article

Sem peças, Haas pede para que pilotos evitem acidentes

Next article

Quatro coisas que estarão em jogo no GP do Canadá de F1

Quatro coisas que estarão em jogo no GP do Canadá de F1

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Fernando Alonso Shop Now
Equipes McLaren
Autor Pablo Elizalde
Tipo de matéria Últimas notícias