Como a Ferrari está preparando suas futuras estrelas da F1

compartilhar
comentários
Como a Ferrari está preparando suas futuras estrelas da F1
Roberto Chinchero
Por: Roberto Chinchero
Traduzido por: Daniel Betting
2 de fev de 2018 14:23

É assim que as futuras estrelas da Ferrari vivem uma semana entre o luxo, treinamentos e outros detalhes que apenas o Motorsport.com pode mostrar

O ruído do simulador (que tem a frente da Ferrari F2004 para ganhar um toque de autenticidade) proporcionou uma pista de apoio sempre presente para a sessão de treinamento em grande altitude que fizeram todos os pilotos da Ferrari Driver Academy (FDA).

Cada vez que um dos jovens passava pela área de recepção, tinha a tentação de dar mais uma volta com ele e, se ele quebrasse o recorde, enviava um WhatsApp para o resto para informá-los.

No entanto, no final da semana, os jovens tiveram que se render à experiência, já que a volta de Giancarlo Fisichella (1m24s815) em Monza se mostrou imbatível. Sua performance ao volante provou ser tão boa quanto o conselho que ele deu aos meninos.

Juntamente com Andrea Bertolini, que se preparava para correr em Fiorano nos históricos carros de F1, a participação dos mais velhos era uma parte importante da semana para os jovens ansiosos para ouvir, aprender e acelerar seus progressos.

Na turma deste ano estavam alguns alunos veteranos da academia e novas incorporações: Antonio Fuoco, Giuliano Alesi, Callum Ilott, Enzo Fittipaldi e Gianluca Petecof. 

 

Ferrari Driver Academy training
Ferrari Driver Academy training

Photo by: Ferrari

Havia três pilotos da FDA que não puderam participar. Robert Shwartzman e Marcus Armstrong tiveram que correr na Toyota Racing na Nova Zelândia, e Guan Yu Zhou teve outros compromissos.

Esta reunião de uma semana, organizada pelo gerente do programa Massimo Rivola, vai muito além de um campo simples de treinamento físico, pois também houve reflexão e análise.

E na base há um conceito muito claro, porque apoiar e financiar um jovem no caminho do desenvolvimento para a Fórmula 1 tem um custo considerável.

Então, antes que eles possam colocar capacetes e macacões, algo é exigido em troca. Fora do circuito se pode ver o espírito de sacrifício, as margens de aprendizado, os aspectos do caráter, as reações à vida em grupo ou a derrota e muitos outros aspectos.

"Estar nas montanhas em um novo contexto, e longe de nossa casa, cria uma nova situação para nossos meninos", explica Rivola.

"É normal que os atletas façam apenas as atividades em que são bons, mas todos aqui devem participar no mesmo programa. O objetivo é estimular a competição, avaliar as reações no sucesso e na derrota".

No automobilismo, muitas vezes é dito que seu primeiro rival é seu companheiro de equipe, e na FDA também é assim.

Conviver com seu rival é um passo crucial para o futuro profissional, e no caso de Fittipaldi e Petecof, a comparação começou ao compartilhar o quarto do hotel. É o primeiro passo do que será uma vida juntos na F4 com a Prema este ano.

 

Ferrari Driver Academy training
Ferrari Driver Academy training

Photo by: Ferrari

"A competição cria estresse e a comparação que começa nessas três semanas de atividades os ajuda a entender como gerenciar isso. O treinamento e as competições que podem fazer na academia, ou nos esquis, diz muito sobre um piloto", acrescentou Rivola.

"Quando Charles Leclerc chegou, ele atacava em cada enfrentamento, mas ele muitas vezes pagou o preço por esse esforço inicial, que era ganhar menos do que o esperado".

"Fizemos um bom trabalho com ele. Ser um treinador ou treinador mental como aqui, faz com que você pareça um engenheiro de pista, que em teoria seria um trabalho exclusivamente técnico, mas realmente precisa entender importantes aspectos psicológicos".

Se fabricar carros e motores não é nada novo na F1, o que evoluiu dramaticamente nos últimos anos é a avaliação dos pilotos.

Embora agora já tenha dado por certo que os pilotos precisam da atitude certa para derrubar as portas da F1, uma grande força mental é considerada uma prioridade mesmo além do talento puro. Um piloto muito rápido, mas com uma atitude psicológica "normal", não duraria muito no ambiente de panela de pressão, o que significa lutar pelo campeonato mundial.

"No nosso grupo de pilotos, há gente mais experiente, como Fuoco, que vai disputar sua segunda temporada na Fórmula 2, e outros pilotos mais jovens que acabaram de sair do kart", continua Rivola.

"Queremos treiná-los juntos, porque, embora o mais experiente possa ter um conhecimento que teoricamente lhe dá uma vantagem, um piloto muito jovem pode se colocr em problemas".

As diferenças de idade são observadas nos testes que simulam o início de uma corrida, onde os jovens pilotos sempre tentam surpreender, mas, ao fazê-lo, cometem muitos erros e esquecem que a regularidade é mais importante quando se trata de julgar o rendimento.

Mas a semana não é apenas de trabalho árduo. Durante o intervalo, há brincadeiras. De repente, um dos pilotos percebe que perdeu seu celular, embora na realidade um de seus companheiros tenha roubado como uma brincadeira. Os culpados aparecem (desta vez Fittipaldi e Petecof) e, como vingança, eles arrumam toda a sala.

No entanto, mesmo esses momentos mais descontraídos, que têm pouco a ver com corridas, são observados pela academia para estudar a aptidão mental e personalidade.

Para a FDA realmente há evolução como um projeto, e está a um mundo de distância de como os "programas de jovens pilotos" começaram no início dos anos 2000. Naquela época, a abordagem parecia simplesmente dar algum apoio econômico a uma estrela em ascensão, escolher de uma categoria e, depois de assinar alguns cheques, esperar que eles obtenham vitórias e campeonatos.

Não é assim. O objetivo é ir além da velocidade do julgamento e do talento: trata-se de avaliar como um piloto reagirá quando tiver a oportunidade de testar na F1 e, especialmente, qual será a resposta dele depois de ter cometido um grave erro ou se enfrenta um colega de equipe que de repente complica sua vida.

"Usamos a Prema como referência, porque é uma equipe que cobre o caminho da Fórmula 4 para Fórmula 2", diz Rivola. "Nós sempre tentamos ter muita informação direta do campo de competição e tentamos entender o grande número de variáveis que estão por trás de uma vitória ou de um fim de semana ruim".

 

Ferrari Driver Academy training
Ferrari Driver Academy training

Photo by: Ferrari

O valor da Academia aumentou claramente nos últimos meses, já que a nova associação da Alfa Romeo com a Sauber mostrou que agora as futuras estrelas da Ferrari têm um caminho direto para a F1. O surgimento de Charles Leclerc deu a todos os jovens a verdadeira esperança de que a academia da Ferrari possa levar qualquer um se eles se renderem.

"Quando soubemos que Charles foi escolhido para se tornar um motorista de F1, foi uma grande satisfação, mostrou que todos trabalharam na direção certa", acrescenta Rivola.

"Não importa o quão convencido está de que você está fazendo o trabalho certo, sem um resultado como esse, você não tem a certeza. Agora os nossos jovens têm mais motivação, eles sabem que o caminho para o topo é possível, então agora é ainda mais importante para eles que consigam os resultados esperados".

A idade é outra coisa que também mudou nos programas de jovens pilotos. Uma década atrás, considerou-se que um piloto "jovem" tinha 18 anos, e agora vemos pessoas de 14 anos com a responsabilidade de marcas tão importantes como a Ferrari.

 

Ferrari Driver Academy training
Ferrari Driver Academy training

Photo by: Ferrari

Mas começar tão jovem também pode levar a um cenário onde, se as coisas não funcionam, uma carreira profissional termina antes de começar. E, o que acontece, então, se os sonhos não se tornam realidade e descobre-se que um jovem não tem o que é necessário para atingir a categoria mais alta?

"Há aqueles que decidem procurar categorias alternativas independentemente de nós, mas nós mesmos tentamos entender se um jovem tem os requisitos para participar de corridas de GT, por exemplo, uma categoria muito desafiadora na qual a Ferrari tem uma presença significativa".

"É uma alternativa muito profissional e muito apreciada pelos pilotos que embarcaram neste projeto, mas nossa principal tarefa ainda é identificar e ajudar o crescimento daqueles que podem aspirar aos objetivos mais altos".

Assim como o projeto e a construção de um carro de F1 é se trata de garantir que cada detalhe esteja em 100%, a Ferrari Driver Academy não deixa nada ao acaso quando se trata dos que estão atrás do volante.

E nos salões de Maranello, as famosas palavras de Enzo Ferrari continuam empurrando a FDA: "Eu gosto de pensar que a Ferrari pode fabricar os pilotos e os carros".

Próxima Fórmula 1 matéria
Ricciardo: “Verstappen é o primeiro parceiro a me desafiar”

Previous article

Ricciardo: “Verstappen é o primeiro parceiro a me desafiar”

Next article

F-E: “Feliz” de receber F1 no séc 21 após fim das grid girls

F-E: “Feliz” de receber F1 no séc 21 após fim das grid girls
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Ferrari Shop Now
Autor Roberto Chinchero
Tipo de matéria Conteúdo especial