Como a Toro Rosso usa a experiência do WEC de Hartley

compartilhar
comentários
Como a Toro Rosso usa a experiência do WEC de Hartley
Edd Straw
Por: Edd Straw
Co-autor: Scott Mitchell
22 de abr de 2018 15:20

A experiência do neozelandês com a Porsche traz uma “visão nova e única” para a equipe de Fórmula 1, de acordo com o diretor técnico James Key

Brendon Hartley, Porsche Team
Brendon Hartley, Toro Rosso STR13 Honda
Brendon Hartley, Toro Rosso
Brendon Hartley, Toro Rosso STR13 Honda
Brendon Hartley, Toro Rosso, on the grid

Brendon Hartley correu pela Porsche na classe LMP1 do mundial de endurance (WEC) de 2014 a 2017, vencendo o campeonato mundial duas vezes, e trouxe uma experiência significativa em como obter o máximo desempenho da tecnologia empregada na categoria.

Embora a tecnologia que faz parte dos atuais pacotes de motores híbridos V6 turbo da F1 e os usados pela Porsche sejam diferentes, Hartley trouxe algumas novas ideias sobre como usar a energia elétrica e também gerenciar o uso de combustível e de pneus.

"A grande coisa com Brendon chegando é que ele tem uma visão diferente das coisas", disse James Key, diretor técnico da Toro Rosso, ao Motorsport.com.

“O modo como ele tinha que economizar combustível, economizar pneus, usar energia é uma entrada completamente nova para nós, então definitivamente há algumas informações valiosas sobre o que estamos fazendo que não teríamos se tivéssemos adotado uma abordagem mais padronizada.

“As tecnologias são diferentes o suficiente para que não haja transferência técnica, mas é mais o processo pelo qual você passa e a maneira como você as vê.”

"Eu acho que tem sido bom para a Honda, mas tem sido bom para toda a equipe ter essa visão única e fresca."

Hartley acredita que pode oferecer uma vantagem particular em termos de como maximizar a eficiência de combustível.

"Eu estou bastante acostumado a ter que ser muito eficiente, porque estávamos muito restritos em combustível lá", disse Hartley quando perguntado pelo Motorsport.com o que ele pode trazer para a Toro Rosso e a Honda.

"Então, se chegarmos a uma corrida onde estamos muito restritos em combustível, sinto que é uma boa força. Obviamente, trabalhar em tal projeto é todo valioso, toda experiência é uma boa experiência.”

Mas Hartley também acredita que o piloto pode ter menos informações na F1 do que na LMP1, devido à reduzida complexidade dos sistemas híbridos.

Ele cita o fato da Porsche ter tração nas quatro rodas, graças à potência elétrica que está sendo usada pelas rodas dianteiras como a principal razão para isso.

"Há menos informações na F1 porque não é um carro com tração nas quatro rodas", disse Hartley.

“Tendo tração nas quatro e motor elétrico controlando apenas o eixo dianteiro e o motor de combustão controlando apenas a traseira, havia muita informação para o piloto para fazer esses dois funcionarem perfeitamente.”

"Há algumas coisas para gerenciar na corrida e nos bastidores, mas, em geral, não há muito para o piloto e há simulação suficiente e o suficiente por trás de todas as equipes para que elas acertem praticamente do começo ao fim."

Próxima Fórmula 1 matéria
Sainz ainda está aprendendo "pequenos truques" de Hulkenberg

Previous article

Sainz ainda está aprendendo "pequenos truques" de Hulkenberg

Next article

Hamilton: título teria significado especial em 2018 “duro”

Hamilton: título teria significado especial em 2018 “duro”
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Brendon Hartley
Equipes Toro Rosso Shop Now
Autor Edd Straw
Tipo de matéria Análise