Como comprar uma equipe de F1 de US$ 100 mi por uma libra

compartilhar
comentários
Como comprar uma equipe de F1 de US$ 100 mi por uma libra
Charles Bradley
Por: Charles Bradley
29 de dez de 2015 11:21

A Renault não pagou muito pela equipe Lotus, mas agora deve começar o investimento real para voltar a ganhar na Fórmula 1, analisa Charles Bradley

(Esquerda para direita): Carlos Ghosn, presidente da Renault no grid com Jean-Michel Jalinier, presidente esportivo da Renault F1
Alain Prost, com sua Renault F1, de 1983
Cyril Abiteboul, Renault F1
Honda F1
Jean-Pierre Jabouille e seu Renault F1
2015 Renault Energy F1 motor
Dr Helmut Marko, Red Bull Motorsport com Cyril Abiteboul, Renault Sport F1
Jenson Button, Brawn GP

Então, quanto custa comprar uma equipe de Fórmula 1? A resposta veio até nós nesta semana: 1 libra, ou seja, cerca de US$ 1,50. Ou ainda R$ 5,75. Esse é o valor pelo qual a gigante francesa Renault comprou a equipe Lotus.

Mas como pode ser isso? A execução de uma equipe de Formula 1 equipe custa entre US$ 70 milhões (para as mais pequenas) e US$ 300 milhões (para as do tamanho Ferrari, que constroem os seus próprios carros e motores).

Em algum lugar entre isto está a Lotus, que anteriormente comprou seus motores Mercedes por mais de US$ 10 milhões por ano como parte de um orçamento de US$ 100 milhões para competir na principal categoria do automobilismo.

A sociedade proprietária da Lotus foi repetidamente chamada pelo Supremo Tribunal britânico durante este ano por causa de uma dívida fiscal de 4 milhões de libras.

E isso é em parte a razão pela qual a Lotus foi vendida por uma pequena moeda de ouro em vez de alguns milhões.

Não é incomum

Portanto, não é incomum para uma equipe ser vendida por este valor da Lotus? Não, não realmente.

O caso mais recente foi a venda da Honda ao ex-engenheiro da Ferrari, Ross Brawn, em 2008. Assim que ele formou Brawn GP, a equipe ganhou no ano seguinte o campeonato de Fórmula 1 com Jenson Button.

A Honda havia gastado uma fortuna cometendo erros, mesmo com Brawn no comando. Mas, depois de um último suspiro, a fabricante japonesa deixou o esporte para que a Brawn GP florescesse em grande estilo depois de conseguir um fornecimento de motores da Mercedes e localizar algumas lacunas no regulamento.

No final da temporada de sucesso, a Mercedes comprou a empresa - e, em seguida, a converteu para a equipe de fábrica com a qual Lewis Hamilton ganhou os dois últimos campeonatos.

A astúcia da Red Bull

Um par de anos antes do boom no automobilismo, a Red Bull comprou a doente equipe Jaguar de F1, que pertencia à Ford, por apenas um dólar.

Depois disso, a empresa de energéticos fez uma grande investimento para conseguir quatro vezes ganhar o campeonato de Fórmula 1 utilizando uma parceria com a Renault.

Em suas últimas 85 corridas, a Jaguar não conseguiu sequer um pouco da glória da Red Bull nas mesmas instalações.

Quando a Red Bull comprou a equipe, parte da oferta comprometia a marca austríaca a investir pelo menos 200 milhões de libras ao longo dos próximos três anos. Além disso, eles assinaram como o designer "mago" Adrian Newey e desenvolveram a estrela Sebastian Vettel.

A obtenção de sucessos seguros demorou um pouco, mas ele mostraram tanta vontade de investir para criarem uma gigante Fórmula 1 que até compraram uma segunda equipe, a Minardi, só para desenvolver seus pilotos.

Em suma, eles eram inteligentes, investiram e colheram os benefícios.

Que lições podem ser aprendidas pela Renault?

Os últimos anos da Renault na Fórmula 1 foram uma verdadeira montanha-russa. Como fabricante conseguiu 35 vitórias desde 1979, quando revolucionou o uso de turbocompressores no esporte.

Por duas vezes eles foram campeões do mundo com o espanhol Fernando Alonso, nas temporadas de 2005 e 2006, batendo a Ferrari e Michael Schumacher. Como fabricante de motores, a Renault tem 12 títulos mundiais em seu nome - graças à colaboração com a Benetton, Williams e Red Bull -, superada apenas pela poderosa Ferrari neste departamento.

Suas duas temporadas terríveis com Red Bull, que criticou publicamente o produto da Renault e seus esforços para resolvê-lo, a deixou como mestre de seu próprio destino.

A equipe que adquiriu, a Lotus, é na verdade a mesmo que eles venderam em 2009 e na qual ganharam dois títulos. Assim, a equipe retorna às suas raízes da Toleman, que se tornou famosa com o grande Ayrton Senna.

E aqui reside o problema: os fabricantes vão e vêm da Fórmula 1 de acordo com a sua conveniência. Os custos de competição são enormes, mas só elas (da dívida soberana dos Estados ou dos oligarcas ou milionários) têm os meios para pagar as contas astronômicas. Até chegar os resultados na pista, que é quando em salas de reuniões surgem os questionamentos.

A Renault diz que está na hora de mais uma vez tornar-se um dos "big boys" da Fórmula 1. Para isso, terão mais libras do que Lotus poderia gastar.

Próxima Fórmula 1 matéria
2 anos após queda, saúde de Schumacher é cercada de mistério

Previous article

2 anos após queda, saúde de Schumacher é cercada de mistério

Next article

McLaren defende liberdade de custos para equipes na F1

McLaren defende liberdade de custos para equipes na F1
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Lotus F1 Shop Now , Renault F1 Team
Autor Charles Bradley
Tipo de matéria Comentários