Ericsson: Desvantagem de peso me custa 0s4 a Wehrlein

Por ser alto, piloto sueco acredita que estatura o tem prejudicado na comparação direta com o alemão

Muitas equipes de Fórmula 1 lutaram para deixar seus carros de 2017 no limite do peso, especialmente porque novas peças de desenvolvimento aerodinâmico foram adicionadas ao carro nesta temporada.

A Mercedes teve que tirar bastante peso de seu carro no início do ano, e Valtteri Bottas revelou após o GP da Malásia que o time também remove sensores do carro depois dos treinos da sexta-feira devido a preocupações com o peso.

Na outra ponta do grid, a Sauber estima que tem um excesso de peso de quatro a oito quilos no carro de Marcus Ericsson neste ano, e Ericsson diz que a desvantagem em relação a Pascal Wehrlein cresceu recentemente por conta disso.

Wehrlein marcou cinco pontos até agora em 2017, enquanto que Ericsson não pontuou. O alemão também lidera por 9 a 4 na batalha de classificações da equipe – embora o intervalo de ritmo puro médio entre os dois pilotos seja de 0,049%, o menor entre todos os times do grid.

"Nós estivemos perto, mas ele tem bons números, o que eu realmente não gosto", disse Ericsson. "Também é difícil para mim com a desvantagem do peso”.

"No início do ano, era um pouco menos, mas nas últimas quatro ou cinco corridas a diferença é de 10 kg.”

"Isso significa muito tempo de volta em cada volta em cada pista. Geralmente dizem que são 0s3 ou 0s4 por volta com 10 kg a mais."

Ericsson diz que tenta perder peso, mas reconhece que "esse é o problema de ser alto".

"Isso dificulta", acrescentou. "Minha referência é o ritmo de Wehrlein, e eu preciso vencê-lo o máximo que puder”.

"Já faz muitos anos que estou na F1, onde sempre estive no pior carro. É difícil mostrar suas habilidades, e isso também torna mais difícil conseguir um lugar melhor."

Sauber é a melhor opção para ficar na F1

Ericsson está ansioso para subir no grid depois de três temporadas com a Sauber, mas admite que permanecer na equipe por um quarto ano agora é sua melhor chance de ficar no grid em 2018.

Sua administração entrou em contato com a Williams, mas o Motorsport.com entende que quatro pilotos estão em disputa pelo assento de Felipe Massa, incluindo Pascal Wehrlein, mas não Ericsson.

A menos que Ericsson possa de alguma forma forçar uma ida para Toro Rosso, sua única esperança agora é que a Ferrari não coloque na Sauber Charles Leclerc e Antonio Giovinazzi em 2018.

"A Williams parece menos provável para mim e a Sauber é provavelmente a opção mais forte no momento", confirmou Ericsson. “Sempre há pessoas tentando tirar o seu lugar e sempre haverá”.

"Nós estamos olhando um pouco para assentos diferentes, o que acho que todos os que não têm contrato para o próximo ano devem estar fazendo.”

"No momento nada está feito. Meu gerenciamento está trabalhando duro nisso e vemos que existem algumas opções."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Marcus Ericsson
Tipo de artigo Últimas notícias