F1 precisa analisar saída de pits com seriedade

compartilhar
comentários
F1 precisa analisar saída de pits com seriedade
Por: Scott Mitchell
13 de abr de 2018 14:38

Categoria precisa pensar seriamente na avalanche saídas inseguras que atingiram os três GPs da temporada de 2018, diz o diretor técnico da Force India, Andrew Green

A Ferrari mechanic is tended by medics after being hit by the car of Kimi Raikkonen, Ferrari SF71H during a pit stop
The car of Kimi Raikkonen, Ferrari SF71H is pushed back to the pit
Ferrari practice pit stops
Ferrari member practice pitstops
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB14 pit stop
Fernando Alonso, McLaren MCL33, Marcus Ericsson, Sauber C37 and Stoffel Vandoorne, McLaren MCL33

A McLaren foi multada em € 5 mil (aproximadamente R$ 21 mil) após a segunda sessão de treinos para o GP da China deste fim de semana, depois de liberar Stoffel Vandoorne com o pneu traseiro direito mal fixado.

É a quinta saída insegura em três corridas, depois que os pilotos da Haas abandonaram na abertura na Austrália e Kimi Raikkonen sofreu dois incidentes no Bahrein, incluindo um na corrida que deixou um membro da equipe com uma perna quebrada.

A McLaren também tinha uma roda fixada incorretamente no primeiro dia de pré-temporada que terminou com o carro perdendo a roda completamente, depois que a peça que segurava o sistema de retenção quebrou.

Andrew Green, diretor técnico da Force India, acredita que a FIA precisa olhar melhor para esta questão.

“As equipes precisam ver como você acaba liberando um carro em uma sessão de treinos sem ter uma porca pronta. Para mim, isso precisa de um pensamento sério.”

O diretor de prova da FIA, Charlie Whiting, sugeriu que os problemas foram "cada vez menos uma coincidência" depois dos problemas da Haas na Austrália e do duplo erro da Ferrari no Bahrein.

Qualquer correlação entre os incidentes parece estar limitada a erros no processo.

Os problemas da Haas foram reduzidos a erros de ajuste das rodas, assim como a primeira saída insegura de Raikkonen no Bahrein e a de Vandoorne na China.

O problema de Raikkonen na corrida, que teve as mais severas consequências, foi causado pelo fato de a roda não ter saído, confundindo o sistema automatizado da Ferrari.

Uma teoria é que as porcas poderiam estar mais difíceis de remover este ano, mas Green disse que este não é o caso.

A única mudança no sistema de retenção dupla, que protege a roda de não se soltar completamente se a porca não estiver bem presa, foi o reforço dos testes que ela deve passar para provar que pode suportar grandes forças.

O piloto da Haas, Kevin Magnussen, disse que a FIA não precisa investigar as saídas inseguras porque era simplesmente uma questão das equipes “recuarem e entrarem em uma área mais segura”.

O diretor técnico da Renault Sport, Bob Bell, também acredita que a crescente concentração de problemas é porque as equipes atingiram o limite do que é possível durante um pit stop.

"Estamos todos trabalhando constantemente em nosso hardware para reduzir o tempo de paradas", disse ele.

"Você chega a um ponto em que às vezes você simplesmente falha de vez em quando."

Green disse que era errado as equipes liberarem os carros de forma insegura no treino porque “não há grande pressão”, mas Bell discordou.

"Não há sentido em treinar se você não estiver praticando no ritmo da corrida", disse ele.

“Isso é o que todas as equipes fazem. Significa apenas que ocasionalmente você falha.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Liberty quer decisão sobre motores de 2021 até maio

Previous article

Liberty quer decisão sobre motores de 2021 até maio

Next article

Force India tem problema "fundamental" com carro de 2018

Force India tem problema "fundamental" com carro de 2018

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP da China
Localização Shanghai International Circuit
Autor Scott Mitchell
Tipo de matéria Últimas notícias