FIA diz que caso de roda da Mercedes está "resolvido"

compartilhar
comentários
FIA diz que caso de roda da Mercedes está
Scott Mitchell
Por: Scott Mitchell
Co-autor: Adam Cooper
16 de nov de 2018 18:17

Mesmo assim, equipe continuou evitando uso no Brasil para se proteger contra qualquer ação legal futura

O espaçador das rodas da Mercedes, que tinha pequenos buracos e ranhuras adicionadas para reduzir o fluxo de calor entre o eixo e a roda, não foi usado desde que a equipe conseguiu quatro vitórias consecutivas no GP do Japão.

O projeto foi questionado depois de Suzuka e dado um esclarecimento inicial pelo departamento técnico da FIA, mas removido para o GP dos EUA para evitar potenciais protestos dos rivais.

A Mercedes pediu aos representantes do GP do México que garantissem sua legalidade e, embora os comissários estejam de acordo com o conselho da FIA, o projeto não foi usado naquela corrida ou no último final de semana no Brasil.

O diretor de corridas da FIA, Charlie Whiting, estava esperançoso de que, depois do México, uma solução a longo prazo seria encontrada em uma reunião do Grupo de Trabalho Técnico (TWG) antes do Brasil, mas agora espera que isso seja feito depois da temporada.

No entanto, Whiting sublinhou que: "achamos que o assunto está resolvido" para esta temporada e a única dúvida persistente era "se a Mercedes pediria aos comissários que fizessem a mesma coisa que fizeram no México".

"É uma opinião técnica que damos e continuaremos a usar essa opinião em casos semelhantes", disse Whiting.

"Enquanto isso, imagino que, uma vez que a poeira tenha se estabilizado nesta temporada, tentaremos fazer alguma coisa no TWG sobre isso."

Lewis Hamilton terminou uma pequena seca de três corridas sem vitórias pela Mercedes em Interlagos, mas foi preciso um controvertido confronto entre Max Verstappen e Esteban Ocon para tirar a vitória do piloto da Red Bull.

A vitória ajudou a Mercedes a fechar o campeonato de construtores, que teria permanecido sujeito a uma audiência no tribunal se o espaçador tivesse sido usado e protestado por outra equipe.

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, reiterou a crença da equipe de que o impacto no desempenho do espaçador é insignificante.

"Não queríamos enfrentar uma eventual decisão judicial semanas depois, quando consideramos que esses espaçadores não são fundamentalmente responsáveis ​​pelo desempenho", disse Wolff.

"Posso assegurar que nossa avaliação é que os problemas que tivemos nessas três corridas não estavam ligados aos espaçadores. É um conceito mais geral".

Wolff disse que as últimas corridas foram decididas por fatores fundamentais do carro e configuração.

A Ferrari começou o GP do Brasil com pneus macios e deveria ter tido uma estratégia favorável, já que a Mercedes e a Red Bull começaram com pneus supermacios.

No entanto, ambos os pilotos tiveram que parar antes de Verstappen na corrida e Sebastian Vettel acabou trocando pneus pela segunda vez no final.

"Muitos outros carros [tinham problemas com pneus]", disse Wolff. "Sebastian [Vettel] estava lutando tremendamente com os pneus, Kimi [Raikkonen] estava um pouco melhor, mas não muito melhor.”

Mercedes-AMG F1 W09 rear

Mercedes-AMG F1 W09 rear

Photo by: Mark Sutton

Next article
F1 se diz pronta para abandonar corridas "pouco atraentes"

Previous article

F1 se diz pronta para abandonar corridas "pouco atraentes"

Next article

Ticktum quer resolver questão “irritante” de superlicença

Ticktum quer resolver questão “irritante” de superlicença
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes Shop Now
Autor Scott Mitchell