McLaren: Renault melhorou em confiabilidade e potência

Para equipe técnica do time de Woking, Renault tem apresentado avanços em todos os aspectos para nova temporada

A Renault deve entregar um motor mais potente e confiável neste ano, segundo os chefes da McLaren. Para eles, o avanço da marca francesa levanta esperanças de que a Renault possa competir em igualdade com Mercedes e Ferrari.

O diretor executivo da McLaren, Zak Brown, explicou: "Não há sirenes de alerta tocando. Eles parecem estar muito confiantes, embora seja melhor eles falarem sobre isso”.

"Em termos de potência e confiabilidade, eles estão felizes com o lugar onde estão e o que está acontecendo no dinamômetro. Especificamente com a confiabilidade.”

"No ano passado eles tinham potência, e foi quando eles mostraram isso foi que os problemas de confiabilidade começaram a aparecer. Então eles tiveram seus problemas no México, mas eles também dominaram a corrida, então estamos nos sentindo bem."

O diretor técnico da McLaren (chassis) Tim Goss acrescentou: "Eles desenvolveram o motor. Eles o melhoraram e ele será mais potente”.

"Um dos grandes desafios que eles têm, e que as outras fabricantes de unidades de potência também têm, é a mudança no regulamento do esporte. Teremos apenas três motores de combustão interna e três MGU-Hs permitidos por piloto por temporada, e dois pacotes de controle eletrônico e dois MGU- Ks.”

"É uma tarefa gigante alongar a quilometragem das unidades de energia, por isso o foco para todos os fabricantes tem sido garantir que possam obter a quilometragem extra em vez de perseguir o desempenho."

Brown sugeriu que a Renault também pode ter "modos mágicos" no motor para ajudar a aumentar o desempenho na qualificação, depois de ter ficado para trás nesta área na temporada passada.

Perguntado sobre se haverá um boost de qualificação em 2018, Brown disse: "Espero que sim, e eu acho que sim".

Mais maduros do que a Honda

Fernando Alonso, McLaren MCL32 and Jolyon Palmer, Renault Sport F1 Team RS17
Fernando Alonso, McLaren MCL32 e Jolyon Palmer, Renault Sport F1 Team RS17

Foto: Sutton Images

Após os três anos difíceis da McLaren com a Honda, seguindo o retorno da fabricante japonesa à F1, a equipe baseada em Woking disse que deu um passo positivo trabalhando com engenheiros mais experientes da Renault no projeto do MCL33.

Matt Morris, chefe de engenharia, disse: "acho que a grande diferença, falando com todos os caras da Renault, é que eles têm mais experiência”.

"Esses caras fazem isso há muito mais tempo que a Honda, e foi isso que nos permitiu concluir a montagem do carro tão rapidamente.”

"É a experiência deles, e o mesmo pode ser dito de sua fábrica em Viry. Eles são mais maduros que a Honda. Podem não ter tantos dinamômetros modernos, mas eles têm mais experiência.”

"Estamos por lá no momento trabalhando no dinamômetro com eles, e tem sido muito bom."

Esperanças para o futuro

Stoffel Vandoorne, McLaren MCL32
Stoffel Vandoorne, McLaren MCL32

Foto: Andrew Hone / LAT Images

Com a decisão da McLaren de mudar para os motores da Renault no final da temporada passada, poucas modificações na unidade de potência foram feitas para ajudar a acomodá-la melhor no conceito de carro da McLaren.

No entanto, Goss está otimista olhando para 2019, dizendo que haverá ajustes para ajudar a integrar melhor o chassi e o motor.

Quando perguntado se ele viu áreas no motor que gostaria de mudar, Goss falou: "sim, com certeza. E eles estão ouvindo. Nós fizemos algumas mudanças”.

"É exatamente nesse pequeno espaço de tempo que tentamos colocar o motor no carro, não houve realmente tempo para reconfigurar muitas coisas.”

"Com certeza, é um mecanismo diferente, um layout diferente e precisamos repensar a maneira como fizemos algumas coisas.”

"Mas, em 2019, já estamos em diálogo com a Renault-Viry para ver o que eles podem fazer."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias