Pirelli usa novo software para escolher pneus para os GPs

compartilhar
comentários
Pirelli usa novo software para escolher pneus para os GPs
Adam Cooper
Por: Adam Cooper
19 de mar de 2018 15:33

A Pirelli desenvolveu um novo software para ajudá-la a escolher os compostos de pneus das corridas da F1.

Melbourne signage along the pit straight and above the start light gantry
Mario Isola, Pirelli Sporting Director in the Press Conference
Kimi Raikkonen, Ferrari SF-71H
Pierre Gasly, Scuderia Toro Rosso STR13
Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-18
Pit stop, Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W09

O objetivo é encorajar dois pitstops por prova e dar às equipes maiores opções de estratégia. 

A fabricante italiana está usando simulações para encontrar a melhor combinação de três compostos e alcançar suas metas, o que, em alguns casos, pode significar o salto de tipo de pneu – por exemplo, escolhendo médios, macios e ultramacios, mas não os supermacios.

A Pirelli irá atualizar o software com os dados dos dois testes de Barcelona e dos próximos fins de semana de corrida do ano.

“Temos agora uma ótima ferramenta, um software que criamos para fazer todas essas combinações de três compostos diferentes”, disse o chefe da Pirelli na F1, Mario Isola.

“E o software entrega o número de estratégias em um certo intervalo de tempo de corrida.”

“Então, sempre escolhemos os três compostos em que temos o maior número de estratégias. Normalmente, a meta é [uma estratégia de] duas paradas, mas não só duas paradas. Estamos aceitando as combinações que, no papel, nos dão o maior número de estratégias para poder ter mais ação na pista.”

“O software é uma ferramenta que faz várias comparações de forma rápida, mas é preciso colocar os números corretos. Se coletarmos bons números dali, podemos atualizar o software para termos novas simulações e fazer a escolha.”

“Tínhamos um sistema diferente. Tínhamos um no passado, mas agora temos um novo que considera mais informações. Sinto que temos resultados melhores e mais representativos. O modelo é mais forte, mais sólido.”

A diferença de rendimento entre os compostos irá determinar se é necessário ter um salto de compostos, já que uma diferença menor provavelmente irá encorajar a Pirelli a tomar essa escolha.

“Se descobrirmos que o macio, supermacio e ultramacio são próximos demais, podemos escolher assim como fizemos para a China, onde teremos médios, macios e ultramacios. É importante que coletemos as diferenças entre os compostos para decidir.”

“Se confirmarmos os números que vimos em Abu Dhabi, entre o macio e supermacios temos 0s6, e do supermacio para o ultramacio eram 0s4 – dependendo disso, podemos fazer o ajuste fino da seleção e tentar escolher a melhor combinação.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Mercedes ainda vê confiabilidade como problema para 2018

Previous article

Mercedes ainda vê confiabilidade como problema para 2018

Next article

Alonso é um piloto “diferente” em 2018, diz McLaren

Alonso é um piloto “diferente” em 2018, diz McLaren

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper
Tipo de matéria Últimas notícias