Prost: Acordo com a McLaren coloca pressão na Renault

Tetracampeão crê que fornecimento de motores ao time britânico vá criar “pressão positiva” na equipe francesa para crescer mais

Consultor da equipe Renault, Alain Prost acredita que seu time terá pressão positiva da McLaren a partir do ano que vem. A escuderia de Woking terá as unidades motrizes dos franceses após três anos de decepções com o motor Honda.

"Isso trará pressão, com certeza", disse a Prost ao Motorsport.com. "Porque teremos mais um concorrente”.

"Mas sabemos disso e esperamos que esta seja uma pressão positiva. É um fato que temos que vencer."

Prost diz que a equipe de Enstone fez bons progressos em 2017 e que o salto ao sexto lugar do campeonato na corrida final foi uma recompensa justa.

"Se você fizer um resumo da temporada, a sexta posição não é ruim", acrescentou o francês. "No final da segunda parte da temporada, ficamos muito perto de ser na maior parte do tempo a quarta equipe em termos de desempenho.”

"Nós tínhamos problemas de confiabilidade, e quando você tem problemas de confiabilidade, você precisa diminuir o desempenho.”

"Não é uma desculpa, mas o que mostramos em Abu Dhabi foi quando juntamos bem a performance. Se quiséssemos, poderíamos ser um pouco mais rápidos, mas também queríamos para estar seguros.”

"A desvantagem para frente ainda é grande, mas pelo menos você começa assim a fazer tudo um pouco melhor. Então, é muito positivo.”

"Nós também vamos melhorar o desempenho do motor, mas sempre é um risco, é sempre um desafio para nós."

Prost reconheceu que mesmo para uma equipe de fábrica como a Renault, os ganhos adicionais de 6,5 milhões de dólares garantidos pelo salto de sétimo para sexto no campeonato são um grande impulso.

"O dinheiro é importante, porque quando você ganha mais dinheiro, outras equipes recebem menos", ele disse. "E também o fato é que a última corrida é muito importante, dá motivação às pessoas durante o inverno. Elas sentem um pouco menos de pressão, elas estão mais felizes em trabalhar".

Ele acrescentou que a decisão trazer Carlos Sainz antes do final desta temporada foi um passo chave.

"Foi muito importante para nós", disse Prost. "Obviamente, não sabemos se vamos mantê-lo no final de 2018, mas precisávamos disso.”

"Veremos o que vai acontecer no próximo ano com o mercado, já que está muito aberto. Precisamos nos concentrar no trabalho com Carlos e Nico, e veremos mais tarde o que acontece".

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Renault F1 Team
Tipo de artigo Últimas notícias