Raikkonen: “Besteira” na cobertura da imprensa atrapalha F1

compartilhar
comentários
Raikkonen: “Besteira” na cobertura da imprensa atrapalha F1
Scott Mitchell
Por: Scott Mitchell
Co-autor: Roberto Chinchero
31 de out de 2018 10:51

Kimi Raikkonen considera que há muita “besteira” na cobertura da imprensa e que isso está começando a prejudicar a F1.

O futuro do campeão de 2007 foi alvo de especulação nesta temporada, inicialmente com rumores de que a McLaren estaria interessada antes de sugestões de que ele perderia sua vaga na Ferrari e se aposentaria.

No fim, Raikkonen negociou um acordo de dois anos com a Sauber depois de saber que ele seria substituído por Charles Leclerc na Ferrari.

Em entrevista ao Motorsport.com, Raikkonen expressou sua preocupação de que a cobertura negativa tem um impacto tangível na F1.

Questionado se ele aceitaria uma redução de salário para não precisar fazer trabalho com a mídia, Raikkonen disse: “Não, não quero isso. Acho que todos iriam! Mas não acho que a imprensa faça o salário.”

“As pessoas sempre reclamam disso: ‘Oh, a F1 não é empolgante’, ou algo como ‘por que as pessoas não se interessam tanto?’”

“Mas, para ser honesto, penso no quanto de besteira há na imprensa, e histórias, rumores e coisas do tipo. Se não houvesse tudo isso, acho que a F1 seria muito melhor.”

“As pessoas tentam criar muita coisa sem sentido que acaba danificando a F1. Acho que, se houvesse menos besteira e mais coisas que são verdadeiras, acho que seria melhor para a F1 em vários sentidos.”

A abordagem de Raikkonen ajudou na construção de uma relação de trabalho forte com seu parceiro de equipe, Sebastian Vettel, na Ferrari, e é parcialmente o motivo de sua longa passagem pelo time, de 2014 para cá.

Sua postura diante da natureza política da F1 é similar à forma como ele considera os problemas da mídia.

“Acho que isso desempenha um grande papel”, disse, ao comentar sobre a política na F1. “Sem ela, acho que seria melhor, mas, se você pegar qualquer esporte hoje em dia, provavelmente é a mesma história, com muito dinheiro envolvido.”

“Acho que não é bom para o esporte, mas as pessoas gostam de jogar jogos.”

Raikkonen começou a se abrir mais perto do fim de sua carreira, dividindo momentos com sua família no Instagram e publicando sua biografia oficial.

Parte dos motivos pelos quais ele está ansioso para voltar à Sauber é o fato de que a sede do time, em Hinwil, é perto de sua casa, na Suíça.

Raikkonen acrescenta as viagens à lista de coisas de que não gosta na F1 moderna.

“Com crianças, como meu filho, passei pela fase em que ele está sempre agarrado na minha perna. É bem desagradável quando tenho de dizer: ‘OK, o papai volta para casa em duas semanas’. Agora é a minha filha que passa por isso.”

“Às vezes, quando você está cansado, você pensa: ‘Oh, que p**** estou fazendo aqui? Eu poderia estar em outro lugar, em casa.’ Mas é normal.”

Next article
Red Bull deve revelar parceiro de Kvyat em dezembro

Previous article

Red Bull deve revelar parceiro de Kvyat em dezembro

Next article

Gasly questiona regras “estranhas” sobre disputas na F1

Gasly questiona regras “estranhas” sobre disputas na F1
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Kimi Raikkonen Shop Now
Equipes Ferrari Shop Now
Autor Scott Mitchell
Tipo de matéria Últimas notícias