Raikkonen: relação de forças da F1 muda “corrida a corrida”

Kimi Raikkonen acredita que a relação de forças da F1 pode mudar de corrida para corrida depois de um início imprevisível na temporada de 2018.

A Ferrari venceu as duas primeiras corridas do ano, sendo que a Red Bull utilizou uma estratégia inteligente que permitiu que Daniel Ricciardo vencesse na China na semana passada, o que significa que a Mercedes, que dominou a categoria nos últimos quatro anos, ainda não triunfou.

Lewis Hamilton e a Mercedes foram destaque na Austrália, mas um safety car deu a vitória a Sebastian Vettel, que também comandou o ritmo no Bahrein e na China. 

Raikkonen afirmou que “é muito difícil dizer” qual é a ordem competitiva.

“Se você perguntar para todos, é um pouco difícil dar uma resposta”, disse. “Acho que muito do resultado [da China] dependeu de se você tinha pneus melhores que outros.”

“Obviamente, isso é uma grande parte do jogo e fez uma grande diferença, assim como o safety car.”

“Acho que é legal assim para todos que assistem, porque, na verdade, ninguém sabe de verdade. Todos adorariam saber, mas ninguém sabe de verdade, porque muda de corrida a corrida, e diferenças pequenas fazem uma grande diferença no resultado final.”

“Você precisa esperar e ver. Isso pode mudar de corrida para corrida, por quem usa qual pneu.”

Mercedes e Ferrari apresentaram vantagem em classificação e ritmo de corrida em algum momento das três provas, mas a Red Bull ainda é um fator incerto, já que suas primeiras duas corridas do ano foram comprometidas.

Na Austrália, Ricciardo sofreu uma punição no grid e Verstappen teve uma corrida complicada, sendo que fatores externos atrapalharam a equipe novamente no Bahrein, quando Ricciardo abandonou na segunda volta, com um motor quebrado, e Verstappen colidiu com Hamilton. 

Ricciardo concordou com Raikkonen que ainda não é possível saber o real cenário.

“Ainda é difícil dizer. Fomos muito rápidos com os pneus macios, mas, neste momento, todos os outros estavam de médios”, disse.

“No começo da corrida, com os ultramacios, pudemos seguir o ritmo de Lewis e Kimi, mas eles estavam de macios. Não tínhamos uma boa comparação. Em alguns momentos, no fim da corrida de Melbourne e na China, fomos muito fortes.”

“Nas voltas iniciais, quando o carro ainda está pesado com combustível, podemos melhorar. Não estamos muito longe, mas ainda há algumas áreas em que podemos ser mais fortes.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Kimi Raikkonen
Equipes Ferrari
Tipo de artigo Últimas notícias