Sirotkin: Embalagem de sanduíche arruinou minha estreia

compartilhar
comentários
Sirotkin: Embalagem de sanduíche arruinou minha estreia
Andrew van Leeuwen
Por: Andrew van Leeuwen
Traduzido por: Daniel Betting
25 de mar de 2018 16:12

O russo de Williams, Sergey Sirotkin, culpa uma embalagem de sanduíche na pista por seu abandono em sua primeira corrida na F1

Sergey Sirotkin, Williams
Williams engineers prepare the car of Sergey Sirotkin, Williams FW41 Mercedes, on the grid as Charle
Pierre Gasly, Toro Rosso STR13 Honda, Charles Leclerc, Sauber C37 Ferrari, and Sergey Sirotkin, Will
Pierre Gasly, Scuderia Toro Rosso STR13, Sergey Sirotkin, Williams FW41 and Charles Leclerc, Sauber
Marcus Ericsson, Sauber C37, Brendon Hartley, Scuderia Toro Rosso STR13, Pierre Gasly, Scuderia Toro
Charles Leclerc, Sauber C37 and Sergey Sirotkin, Williams FW41 battle

Sergey Sirotkin só conseguiu dar cinco voltas em sua corrida de estreia na Fórmula 1 antes de ter que parar na curva 13 com um problema no freio de seu Williams.

Após a análise pós-corrida do que poderia ser a causa do colapso, Sirotkin está convencido de que o problema aconteceu devido a uma embalagem de sanduíche presa no duto de freio nas primeiras voltas.

"Você não acreditaria no que aconteceu, foi uma sacola de plástico, que entrou no duto do freio traseiro direito."

"Nós ainda temos uma parte da sacola na carroceria. Sim, isso foi tão emocionante. Era uma grande sacola, uma embalagem de sanduíche".

"Foi a volta 3 ou 4 e isso fez com que os freios superaquecessem também. Causou picos de temperatura muito alta e destruiu os freios".

"Obviamente, chegou o momento em que perdi completamente o pedal. Não havia nenhum muro nem nada ali, então felizmente o carro está inteiro. Mas perdi o pedal e foi completamente em linha reta. O dia acabou ali".

O chefe técnico da Williams, Paddy Lowe disse que não foi confirmado que a embalagem plástica fora a culpada pelo colapso, mas admitiu que está na lista de suspeitos.

"No momento é uma teoria. Não está totalmente comprovada", explicou. "Temos que fazer algumas análises forenses. Mas temos resíduo do que parece ser um saco plástico derretido".

"Lance [Stroll] disse que viu os sacos de plástico na curva 1 no início da corrida. Nós medimos as temperaturas do disco e, em seguida, de repente começaram a subir, exatamente naquela parte do circuito. Isso pode corroborar a teoria."

"Vamos revisá-lo e analisá-lo. Mas as peças parecem se encaixar na versão de que há uma obstrução completa do duto de freio na traseira direita, com as temperaturas subindo muito até que a grande falha ocorra."

"Perdemos todos os sensores daquele lado progressivamente, já que eles queimaram e, finalmente, o selo provavelmente desapareceu da braçadeira porque havia um vazamento de líquido e o pedal se desprendeu". 

Veja os destaques do GP da Austrália

Próxima Fórmula 1 matéria
Engenheiro foi peça fundamental na vitória de Vettel

Previous article

Engenheiro foi peça fundamental na vitória de Vettel

Next article

FIA explica porque Verstappen precisou deixar Alonso passar

FIA explica porque Verstappen precisou deixar Alonso passar

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP da Austrália
Localização Melbourne Grand Prix Circuit
Pilotos Sergey Sirotkin
Equipes Williams
Autor Andrew van Leeuwen
Tipo de matéria Últimas notícias