Vasseur: Reconstruir time de F1 é uma tarefa muito complexa

compartilhar
comentários
Vasseur: Reconstruir time de F1 é uma tarefa muito complexa
Por: René Fagnan
21 de jun de 2018 09:45

O Motorsport.com conversou com Frederic Vasseur sobre a vida como chefe de equipe da Sauber

Charles Leclerc, Sauber celebrates with Frederic Vasseur, Sauber, Team Principal
Frederic Vasseur, Sauber, Team Principal
Niki Lauda, Mercedes AMG F1 Non-Executive Chairman, Toto Wolff, Mercedes AMG F1 Director of Motorspo
Charles Leclerc, Sauber C37
Frederic Vasseur, Sauber, Team Principal
Marcus Ericsson, Sauber celebrates at the end of the race with Frederic Vasseur, Sauber, Team Princi
Frederic Vasseur, Alfa Romeo Sauber F1 Team, Team Principal
Marcus Ericsson and Charles Leclerc, Sauber, Jean Todt, President, FIA, Chase Carey, CEO and Chairman of the Formula One Group, Sergio Marchionne, CEO FIAT, Frederic Vasseur, Sauber Team Principal
Frederic Vasseur, ART Grand Prix Team Principal
Lewis Hamilton talks with Frederic Vasseur, ART Grand Prix team principal
Lewis Hamilton talks to Frederic Vasseur

Frederic Vasseur falou abertamente sobre sua decisão de deixar a Renault, sua opção de cancelar o contrato com a Honda e a reestruturação do departamento técnico da Sauber.

Nascido em 1968, Vasseur estudou engenharia antes de iniciar sua carreira em categorias de base em monopostos, criando sua própria equipe, a ASM; um time que se tornou depois a ART Grand Prix em 2004, quando se juntou a Nicolas Todt, filho do presidente da FIA, Jean Todt.

Vasseur ingressou na Renault Sport como chefe de equipe em 2016, mas saiu depois de apenas um ano para aceitar o desafio de dirigir a Sauber F1.

“Do lado de fora, uma equipe de Fórmula 1 é um animal muito complexo. E você realmente percebe o quão complexo é quando você faz parte disso ", disse ele ao Motorsport.com. “As primeiras corridas que participei com a equipe no ano passado me deram a oportunidade de conhecer as pessoas, a organização, e eu levei um pouco de tempo para olhar e descobrir essa equipe que - honestamente - eu realmente não conhecia de antemão. Gradualmente, e no final do ano passado, comecei a ter uma imagem melhor.”

Mas ele tem mais liberdade na Sauber do que na Renault?

“A Sauber não é de propriedade de um fabricante de automóveis, portanto não há inércia causada por um construtor que possui uma equipe e faz parte da tomada de decisões, e que está diretamente envolvido com o aspecto financeiro da equipe”, explicou. “Por essas razões, a situação é completamente diferente. O que eu faço aqui combina com o meu perfil e interesses porque sempre fui um empreendedor, e o trabalho que tenho aqui me serve muito bem.”

Vasseur admitiu que dirigir uma equipe na Fórmula 1 era um objetivo em sua carreira.

“Como competidor, eu queria competir contra os melhores do ramo”, disse ele. “Mas, como empreendedor, foi muito mais complicado, porque o passo entre as categorias de corrida às vezes é muito grande.”

“Para uma equipe saltar da Fórmula Renault para a Fórmula 3 para a Fórmula 2 é, digamos, bastante gerenciável porque as equipes são do mesmo tamanho e igualmente complexas. No entanto, o passo entre a Fórmula 2 e a Fórmula 1 é quase impossível de dar.”

“Quando a FIA quis abrir as coisas um pouco em 2010, consideramos as corridas de F1, mas rapidamente percebemos que era extremamente complexo, financeiramente e especialmente em termos de estrutura, pois precisávamos saltar de 60 pessoas em setembro para 200 em janeiro.”

“Começamos a trabalhar no projeto, mas quando vejo o que aconteceu com as pessoas que tentaram dar o salto, realmente acho que fizemos a ligação certa na hora!”

Depois de ter passado algum tempo observando a estrutura da equipe, Vasseur foi forçado a tomar algumas decisões difíceis em termos de pessoal.

“O principal problema da Sauber é que a equipe sofreu por um longo tempo de dificuldades financeiras e perdeu um bom número de pessoas”, explicou ele.

“Reconstruir uma equipe de F1 é muito difícil e demorado. Você tem que contratar novas pessoas, e na maioria das vezes, elas trabalham para outras equipes, elas têm que respeitar períodos que os contratos proíbem de ir a outros times, então leva algumas vezes meses para ter essas novas pessoas no lugar. Mesmo que só veremos os resultados daqui a um ano, temos que ter paciência, porque é assim que a F1 funciona.”

Vasseur também cancelou o acordo que a equipe suíça teve com a Honda.

“A Sauber tinha um pré-contrato com a Honda na época. Mas, por várias razões, foi muito complicado fazer isso funcionar porque não tínhamos a capacidade de fazer nossa própria caixa de câmbio, então teríamos que confiar na McLaren para isso, mas como a equipe estava deixando a Honda, não era fácil de todo.”

“Estava longe de ser bom. Eu rapidamente pus um fim nisso e nós voltamos para Ferrari com quem nós desfrutamos um bom, sólido e histórico relacionamento. Mais ou menos na mesma época, Marchionne queria que a Alfa Romeo fizesse um retorno na F1, então encontramos um acordo para que isso acontecesse ”, disse o francês.

Vasseur também disse coisas boas sobre seu ex-piloto Charles Leclerc, que agora compete para a Sauber e que conquistou o sexto lugar no Azerbaijão em abril.

"Charles está progredindo e está crescendo com a equipe", confessou Vasseur. “Ele deu um passo à frente desde suas primeiras corridas quando precisou de alguma direção. Ele melhorou e foi muito bem nas últimas quatro ou cinco corridas. A estrada ainda é longa para ele, mas as coisas continuarão a melhorar, já que teremos peças novas para o carro na próxima corrida e já investimos muito no carro de 2019, porque os novos regulamentos técnicos nos oferecem uma boa oportunidade para se sair bem.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Sainz diz que Renault foi corajosa ao chamá-lo

Previous article

Sainz diz que Renault foi corajosa ao chamá-lo

Next article

McLaren rejeita crítica de ex-chefe da equipe

McLaren rejeita crítica de ex-chefe da equipe

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Sauber
Autor René Fagnan
Tipo de matéria Últimas notícias