Vettel brinca: "Parecia um cruzeiro pelo Sul da França"

Alemão demonstra frustração com ritmo morno da disputa na frente, enquanto Webber queria superar o companheiro

Sebastian Vettel e Mark Webber tiveram uma corrida um tanto monótona para levar a Red Bull ao segundo e terceiro lugares no GP de Mônaco. A dupla, que largou em terceiro e quarto, superou Lewis Hamilton quando o inglês fez sua parada durante o Safety Car causado pela batida de Felipe Massa e em nenhum momento deu pinta de que poderia ameaçar a vitória de Nico Rosberg.

Vettel, que aumentou consideravelmente sua vantagem na liderança do campeonato – tem 21 pontos a mais que Kimi Raikkonen – lamentou que não pôde ganhar posições na largada.

“Foi uma pena. Fiz uma largada fantástica, mas não tinha para onde ir. Talvez ano que vem eles possam tirar alguns prédios e fazer uma pista mais larga. Achei minha largada incrível – se tivesse uma ponte, poderia ir por cima.”

Bem humorado, o alemão brincou com o controle de ritmo adotado pelos carros da Mercedes, para se certificar de que conseguiriam fazer apenas uma parada na corrida.

“Fiquei surpreso no começo porque eles não estavam indo e parecia que eles estavam em um cruzeiro pelo sul da França, mas claramente era sua estratégia para conseguir uma estratégia de uma parada, o que creio que seria apertado para eles e para nós também. Não havia espaços para pararmos, então nossas mãos ficaram atadas em termos de tática. Depois, acho que tínhamos um pouco de ritmo, mas também tinha de poupar pneu.”

O piloto da Red Bull deu sua tradicional apertada a duas voltas do final para garantir a volta mais rápida da prova, para a fúria de seu engenheiro de pista, Guillaume 'Rocky' Rocquelin. “Acabei acelerando no final e tive uma briga com meu engenheiro, pelo que me desculpo. Mas tinha de ver o quanto o carro podia dar hoje, então tive de forçar por pelo menos uma volta.”

Já Webber não escondeu a decepção de ser superado pelo companheiro. O australiano foi o primeiro a parar, na tentativa de fazer o undercut para cima de Vettel. Porém, o Safety Car – e Adrian Sutil – acabaram atrapalhando seus planos.

“Ficou claro desde o início que o supermacio iria durar razoavelmente bem e sabíamos que, se passássemos das 25 voltas com ele, poderíamos fazer uma parada. Em termos de estratégia, foi tudo muito simples a partir de então: todos cobrindo uns aos outros. Quando o Safety Car saiu, fiquei feliz de passar Lewis, mas quase passei Seb, o que seria muito bom. Eu estava atrás de Adrian nesse momento e ele desacelerou muito, não sei por que.”

Mesmo assim, Webber não reclama do terceiro lugar, principalmente na fase em que vive: depois do polêmico segundo posto da Malásia, o australiano tinha abandonar uma prova e conquistar um quinto e sétimo lugares.

“No final, estou feliz com o resultado. Em uma corrida como essa, você pode facilmente acabar com nada. Vi Felipe batendo de novo na Saint Devote, algo que pode acontecer muito fácil em Mônaco. Foi um GP difícil para os pilotos por ter de cuidar dos pneus. Mas, sendo justo, acho que não poderíamos ter sido mais rápidos que Nico hoje.”

O piloto comentou ainda sobre a disputa com Lewis Hamilton, que chegou a emparelhar com sua Red Bull na Rascasse, um ponto incomum para ultrapassagem.

“Eles estavam mais confortáveis do que nós para aquecer os dianteiros. Estava tentando pilotar da forma mais lenta que podia e ele ficava colocando o bico aqui e ali, o que é normal. Foi bom ver que fizemos a Rascasse lado a lado. Não sei como conseguimos, mas depois disso foi frustrante para ele.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP de Monaco
Pilotos Mark Webber , Sebastian Vettel
Tipo de artigo Últimas notícias