Wolff: donos da F1 precisam parar de provocar a Ferrari

Chefe da Mercedes considera que ameaças de saída da categoria devem ser levadas a sério pela nova administração

Toto Wolff, chefe da Mercedes, aconselha os novos donos da F1 a “pararem de provocar a Ferrari” em meio à discordância de ambas as partes acerca do futuro da categoria.

Em outubro, a F1 anunciou os primeiro esboços do regulamento técnico de motores para 2021, o que provocou a insatisfação da Ferrari – que, desde então, ameaça constantemente deixar o Mundial caso as diretrizes não sejam revistas.

Wolff afirmou que não teme pela saída da Scuderia, mas alertou que tais ameaças devem, sim, ser levadas a sério.

“Eu não tenho medo, mas [Sergio] Marchionne deve ser levado a sério. Estou tranquilo, porque a Ferrari é a F1 e a F1 é a Ferrari. Mas, se eu fosse os novos promotores da F1, o Liberty Media, eu não continuaria provocando Marchionne com sugestões inaceitáveis ou mudanças que não têm sentido”, disse.

“Trazer regras ou elementos que transformam a F1 em um canal de compras barato. A F1 deve permanecer com suas estruturas básicas. Temos de melhorá-las e encarar um novo ambiente de mídia. Mas precisamos de evolução, e não de uma revolução ingênua”, continuou.

A Ferrari está comprometida com a F1 até, pelo menos, a temporada de 2020. 

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias