Alejandro Agag: F-E atinge a maioridade com novo carro

compartilhar
comentários
Alejandro Agag: F-E atinge a maioridade com novo carro
13 de fev de 2018 15:33

Modelo para a quinta temporada da Fórmula E foi mostrado recentemente. O diretor executivo da categoria explica o que o novo equipamento representa

Formula E 2018/2019 car
Formula E 2018/2019 car
Formula E 2018/2019 car
Formula E 2018/2019 car
Mitch Evans, Jaguar Racing
Oliver Turvey, NIO Formula E Team Lucas di Grassi, Audi Sport ABT Schaeffler
Jérôme d'Ambrosio, Dragon Racing, Tom Blomqvist, Andretti Formula E Team
Jean-Eric Vergne, Techeetah, Nelson Piquet Jr., Jaguar Racing
Felix Rosenqvist, Mahindra Racing, Mitch Evans, Jaguar Racing
Andre Lotterer, Techeetah, Sébastien Buemi, Renault e.Dams, Sam Bird, DS Virgin Racing
Jean-Eric Vergne, Techeetah congratulates his team mate Andre Lotterer, Techeetah
Nelson Piquet Jr., Jaguar Racing Andre Lotterer, Techeetah, Sébastien Buemi, Renault e.Dams
Edoardo Mortara, Venturi Formula E Team
Andre Lotterer, Techeetah Sébastien Buemi, Renault e.Dams andSam Bird, DS Virgin Racing
Alex Lynn, DS Virgin Racing Nicolas Prost, Renault e.Dams, Oliver Turvey, NIO Formula E Team
Antonio Felix da Costa, Andretti Formula E Team
Sam Bird, DS Virgin Racing Alex Lynn, DS Virgin Racing

A quinta temporada será como se a Fórmula E atingisse a maioridade. Será o começo de uma nova era para nós. Os primeiros quatro anos serviram para construir o campeonato, começando do zero quando não tínhamos nada, mas tivemos que criar algo e fazê-lo existir.

Com nossa segunda geração de carros, o que será lançado oficialmente no Salão de Genebra, no dia 6 de março, estaremos prontos para mostrar o futuro do automobilismo.

Assumimos riscos com o projeto, realmente forçando os limites e mostrando como a tecnologia evoluiu. A nova bateria do carro “Geração 2” nos permitirá completar a distância inteira de corrida sem a necessidade de trocar de carro no meio da prova.

Talvez haverá um pouco menos de drama com somente uma bateria, porque a troca de carros se tornaram um momento empolgante – ainda mais no Chile, quando os pilotos não tinham mais um tempo mínimo de troca, então aquilo era parte da corrida.

Então, de uma forma, será triste perder esse aspecto da corrida, mas, ao mesmo tempo, estou feliz porque mostramos o quanto a tecnologia está avançando. De qualquer forma, temos algumas ideias que irão deixar as corridas ainda mais empolgantes.

Temos uma velocidade máxima teórica de 300 km/h com o novo carro, o que é obviamente mais rápido e será mais empolgante. Se os carros “Geração 2” começarem a ir incrivelmente rápidos, eles extrapolarão a capacidade das pistas e teríamos de encontrar novos locais, mas, no momento, continuaremos onde estamos.

Os pilotos terão simplesmente de moderar sua velocidade de acordo com a pista, assim como fazem em qualquer campeonato. Eles sabem onde frear e sabem quando acelerar.

Essa é a realidade que queríamos mostrar desde o começo, mas não sabíamos se conseguiríamos cumprir nossas promessas ou não. Agora, podemos: a nova imagem do carro e a maior capacidade da bateria nos permitirão levar a categoria a novos lugares.

Isso fará com que a quinta temporada seja um grande marco para nós depois de quatro anos muito duros, mas empolgantes.

Nós nunca soubemos em que posição estaríamos a esta altura. Pensávamos que, na temporada 1, nós iríamos provocar alguma empolgação e que isso chamaria atenção, já que éramos algo novo.

Mas depois, talvez, nós iríamos começar a perder destaque aos poucos e que a quinta temporada seria quando tudo terminaria. Em vez disso, a Fórmula E está em seu melhor momento de todos.

Estamos mais embalados que nunca: mais fabricantes que nunca, mais parceiros que nunca, e mais gente acompanhando. Nossos números digitais estão no teto e ótimas corridas, como a que tivemos no Chile, realmente nos ajuda.

Essa dobradinha da Techeetah – a primeira dobradinha da história da Fórmula E – mostra o quão importante é, para nós, proteger as equipes independentes. É um exemplo de como as nossas regras podem fazer a categoria funcionar no futuro, com um espaço protegido para as equipes independentes, que sempre devem poder ser competitivas graças ao controle apertado de gastos.

Isso será importante com a chegada de mais fabricantes: temos a BMW na quinta temporada, Porsche na sexta temporada e a Mercedes, seja como equipe oficial na sexta temporada, seja através da HWA na quinta temporada.

Claramente isso cria um potencial muito grande para a Fórmula E se tornar um campeonato de montadoras se não formos cautelosos, mas, enquanto tivermos um planejamento que permita equipes independentes a competir e substituir equipes oficiais se elas saírem, então estaremos bem.

Se tivermos, digamos, oito fabricantes, então apenas uma irá vencer, uma será a segunda e uma será a terceira. Então, talvez algumas delas ficarão frustradas e irão parar.

Mas, contanto que tenhamos equipes fortes independentes, estaremos bem, porque o campeonato prosseguirá perfeitamente bem. No momento, estou feliz que todas estejam aqui.

É claro que os desafios continuam para nós. Cidades são um desafio, porque temos de aprender a conviver com as situações que mudam – elas são entidades que vivem. Se o prefeito mudar, então talvez a opinião sobre a Fórmula E também muda.

Aprendemos a viver com isso: queríamos ter um calendário permanente, mas aceitamos que isso não será possível.

Isso é simplesmente parte do que somos. Perguntamos aos acionistas – equipes, patrocinadores e assim por diante – “o que vocês preferem: uma pista permanente e um calendário permanente? Ou ficamos em centros urbanos e temos um pouco de mudança e menos estabilidade?”

Todas as vezes eles escolhem a segunda opção – eles querem permanecer nos centros urbanos. Para a organização, é um pesadelo, porque é realmente difícil trabalhar nas cidades. Isso acrescenta uma grande quantidade de complicação e desafio logístico. Mas levamos assim, porque é assim que as coisas são.

Fãs são o nosso próximo grande desafio. Temos muitos fãs, especialmente no meio digital, o que está explodindo, mas é claro que precisamos de mais. Então, a próxima fase na empresa é aumentar o alcance e o reconhecimento da marca da Fórmula E, e isso sempre leva tempo.

O novo carro será um ótimo trunfo para capturar a imaginação: ele nos permitirá ter muito mais fãs. Eles vão amar quando eles os virem pelas cidades.

E essa será a mensagem de Genebra, no dia 6 de março: o futuro está aqui. Ele chegou. Você pode assistir na TV, pode assistir nas cidades ao redor do mundo. É assim que as corridas serão e já temos isso agora.

Próxima Fórmula E matéria
Sucesso na F-E pode render chance na F1, confia Rosenqvist

Previous article

Sucesso na F-E pode render chance na F1, confia Rosenqvist

Next article

Após abandono, Di Grassi terá nova punição de grid no México

Após abandono, Di Grassi terá nova punição de grid no México
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E
Tipo de matéria Conteúdo especial