Fórmula E muda classificação e aumenta punições de grid

compartilhar
comentários
Fórmula E muda classificação e aumenta punições de grid
Por: Alex Kalinauckas
4 de jul de 2018 19:47

Quinta temporada contará com sistema de classificação de grupo revisada e penas mais pesadas para pilotos que excederem limites de powertrain

As mudanças foram incluídas nos regulamentos esportivos da FIA para a temporada 2018/2019, que começará em Riade em 15 de dezembro.

O sistema de classificação consistirá de quatro grupos de seis pilotos, para adaptar à inclusão da HWA como 11ª equipe da F-E, com a ordem não sendo mais decidida por sorteio.

Os pilotos ainda serão agrupados por posição no campeonato, mas os seis primeiros serão sempre os primeiros a entrar na pista, com o restante dos grupos entrando em ordem decrescente.

Para a corrida inaugural, as posições finais do atual campeonato determinarão os pilotos de cada grupo.

A cada piloto da F-E será permitido dois motores elétricos, duas caixas de câmbio, dois inversores e uma bateria durante o campeonato.

Outra mudança significativa ficará com as punições de grid. Em vez da queda de 10 lugares por exceder limites de energia, os pilotos perderão 20 posições para a próxima corrida.

Se eles não conseguirem utilizar os 20 lugares, será aplicado um drive through.

O sistema de regeneração agora pode ser usado a qualquer momento durante a corrida, e um piloto vencedor do fanboost só pode usá-lo quando o modo de ataque "hyperboost" for ativado.

As regras esportivas de 2018/2019 da F-E estabelecem que “o número de ativações e a duração do uso do modo de ataque serão determinados em cada corrida pela FIA, de acordo com as características dos circuitos".

O Motorsport.com apurou que, embora seja improvável que essa regulamentação mude, a FIA deliberadamente a redigiu para manter a flexibilidade sobre o uso do sistema.

Alejandro Agag, CEO da F-E, espera que o sistema inspirado no game Mario Kart tenha uma duração de “oito minutos” por corrida.

"Vamos ver quantas janelas, se será uma, duas ou três de dois minutos ou qualquer outra coisa", disse ele ao Motorsport.com.

“A FIA decidirá quantas janelas antes de cada corrida, então não é um número fixo. Mas serão oito minutos no ‘modo de ataque’ do hyperboost.

“Vamos testar o sistema em meados de outubro [nos testes de pré-temporada] todos vão reagir e todos saberão como funciona.”

"Queremos começar com um sistema que funciona para toda a temporada, por isso vamos testá-lo antes."

Os regulamentos esportivos também afirmam que o peso mínimo do carro e do piloto subiu de 880 kg para 900 kg.

As equipes não receberão mais um conjunto de pneus para pista molhada extrema antes da temporada, e cada piloto terá agora quatro conjuntos de pneus dianteiros e quatro sets de pneus traseiros para cada evento.

Um pneu dianteiro e um traseiro usados no evento anterior não precisarão ser mais utilizdo na etapa subsequente.

Próxima Fórmula E matéria
Di Grassi: “Chegar em 3º neste campeonato será um milagre”

Previous article

Di Grassi: “Chegar em 3º neste campeonato será um milagre”

Next article

Coluna do Agag: o topo da construção de uma corrida de rua

Coluna do Agag: o topo da construção de uma corrida de rua

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E
Autor Alex Kalinauckas
Tipo de matéria Últimas notícias