Para Wickens, primeiro teste com Indy de 2018 foi "positivo"

Novo piloto da Schmidt Peterson Motorsports, Robert Wickens volta aos monopostos após seis anos no DTM

Robert Wickens, que está retornando às corridas de monopostos no próximo ano após seis temporadas como piloto do DTM, disse que ter apenas algumas sessões em um carro da IndyCar equipado com o kit aerodinâmico antigo significava que andar com o novo kit não foi um choque cultural.

"Foi um dia bastante positivo", disse ele ao Motorsport.com. "Com o modelo de 2017 naquele teste com carro de Hinch [James Hinchcliffe] em Sebring em março, eu nunca encontrei o limite do carro. Mas hoje usei todos os mesmos pontos de referência com o kit aerodinâmico fortemente reduzido e tive sorte em encontrar o limite do novo carro”.

"Para os outros, aprender o carro novo é como ensinar truques novos a um cachorro velho, mas para mim é uma situação em que não preciso ajustar; estou apenas aprendendo e não entro com muitos preconceitos. E então eu pilotei da mesma maneira que eu guiei o carro antigo e não precisei mudar o que estava fazendo".

Wickens disse que deu "quase 100 voltas" no Schmidt Peterson-Honda e não encontrou problemas físicos, apesar de não guiar um monoposto desde que ganhou a World Series Renault em 2011.

"Eu andei durante todo o dia sem problemas de pescoço, braço ou perna", disse ele, "então foi um dia muito positivo. Eu não me senti apressado, não sentia que precisava seguir as coisas. Eu estava seguindo passo a passo e foi bom ter o dia inteiro. Fiquei agradavelmente surpreso, mas como disse, eu tenho trabalhado muito duro desde a conclusão da minha temporada no DTM para ter certeza de que estou pronto. E a pista curta de Sebring não tem nenhuma curva de alta velocidade, de modo que as cargas de direção nunca foram extremas".

Wickens disse que a natureza do teste - um teste da Honda - significou que ele não foi capaz de avaliar a degradação do pneu ao longo de um período regular.

"O que estávamos testando para a Honda significou várias corridas curtas, então eu nunca consegui fazer, digamos, 35 voltas consecutivas. Mas de qualquer forma, estamos limitados por pneus, então eu ainda consegui muita experiência em pneus velhos”.

"Encontrar a janela de operação correta no início realmente ajudou, porque isso significava que enquanto corremos por todas as coisas que a Honda queria testar, eu estava fazendo minha própria aprendizagem do que o carro precisa e como isso altera de acordo com as várias mudanças de configuração - um pouco construindo minha caixa de ferramentas mental ".

"Gosto de pensar que uma das razões pelas quais eles me contrataram foi por meu feedback", disse ele, "para que eu possa assumir uma parte da responsabilidade do desenvolvimento do carro para se prepararem para 2018. Eu acho que o fato de me colocarem em um teste da Honda sugere que eles confiam no meu feedback e no meu sentimento do carro”.

"Eu sou afortunado - ou talvez desafortunado, dependendo de como você olha para isso! – pois no meu primeiro ano a World Series Renault estava desenvolvendo um novo carro, a Fórmula 2 era um carro novo, GP3, era um carro novo ... Eu sempre estava desenvolvendo carros. Então, quando eu mudei para o DTM, estávamos gastando a pré-temporada fazendo o desenvolvimento do carro”.

"Eu acho que ainda tenho trabalho a fazer para encontrar o melhor ponto, porque é muito difícil ser consistente com este carro nas frenagens. Mas fico feliz com o dia, porque encontramos uma boa janela de operação, o equilíbrio do carro ficou muito bom e, apesar de ter pouca experiência nesses carros, não tive nenhum susto, nunca perdi nada. Um dia realmente gratificante e sólido".

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias IndyCar
Pilotos Robert Wickens
Equipes Schmidt Peterson Motorsports
Tipo de artigo Últimas notícias