Crutchlow: Honda ainda é a moto mais difícil de andar

compartilhar
comentários
Crutchlow: Honda ainda é a moto mais difícil de andar
Valentin Khorounzhiy
Por: Valentin Khorounzhiy
Traduzido por: Daniel Betting
3 de abr de 2018 21:44

O piloto da LCR, Cal Crutchlow, disse que a Honda continua a ser “de longe” a mais difícil de pilotar no grid, apesar dos recentes ganhos obtidos pela fabricante japonesa

Cal Crutchlow, Team LCR Honda
Cal Crutchlow, Team LCR Honda
Cal Crutchlow, Team LCR Honda
Cal Crutchlow, Team LCR Honda
Cal Crutchlow, Team LCR Honda
Cal Crutchlow, Team LCR Honda
Cal Crutchlow, Team LCR Honda
Cal Crutchlow, Team LCR Honda, Danilo Petrucci, Pramac Racing, Alex Rins, Team Suzuki MotoGP
Suzi Perry, Cal Crutchlow, Team LCR Honda

A Honda desfrutou de uma forte pré-temporada, com seus pilotos tendo bons desempenhos em todos os testes, além do segundo lugar de Marc Márquez na abertura no Catar, que foi visto como mais uma indicação do progresso da moto.

Mas Cal Crutchlow, que levou sua RC213V ao quarto lugar no Catar, está convencido de que a Honda continua tendo o pacote mais difícil de se pilotar.

Perguntado se a Honda estava em melhor forma que seus rivais, ele disse: “Não. A Honda tem os melhores pilotos”.

“Se você olhar o calibre de Marc, se você olhar para Dani [Pedrosa], como ele pilota. Eu aprendi a conduzir a moto de uma maneira muito boa”.

“Mas notoriamente a Honda é a moto mais difícil de pilotar de longe. Você pode ver na TV, tudo que você precisa fazer é abrir os olhos e vai ver”.

"Acho que estamos em muito melhor forma do que nas temporadas anteriores, mas acho que os pilotos estão pressionando muito, muito duro".

Crutchlow disse que seu forte final na abertura da temporada foi devido às melhorias da Honda, mas também ao seu próprio progresso.

“[O Catar] não me agrada particularmente, muito menos a Honda, mas a Honda melhorou, obviamente, e eu melhorei a pilotagem com certeza”.

“É uma combinação dos dois. Acho que fomos competitivos, Marc ganhou aqui antes, já esteve no pódio aqui antes, esperava-se que ele estivesse lá”.

“Mas acho que fizemos bem em estar naquele grupo [liderando] e podendo lutar, e acho que meu time e a Honda fizeram um ótimo trabalho”.

"Já tive um quarto lugar aqui antes, mas isso foi em uma Yamaha - posso muito bem ter pilotado uma moto de brinquedo com a aderência que eu tinha".

O fim-de-semana no Catar contou com fortes exibições de equipes privadas, com Johann Zarco, da Tech3 Yamaha, conquistando a pole com o recorde da pista, juntamente com Crutchlow e Danilo Petrucci da Pramac Ducati.

Na sequência, no entanto, Crutchlow minimizou as chances dos independentes de se misturarem com as equipes de fábrica durante uma temporada completa.

“São os recursos que você tem como equipe de fábrica; o dinheiro que você gasta, as pessoas. Os recursos que eles têm são infinitos. Sim, é um orçamento sem fim. Não estou falando apenas de orçamento, mas é o dinheiro que cria tudo, como você sabe”.

“São os recursos que, ao longo do campeonato, ao longo da temporada, interferem naqueles 50 pontos de diferença no final, honestamente falando”.

"Veremos. Se nós pudermos continuar numa boa forma decorrida, veremos - não sei”.

“Mas Zarco é forte, claro. Mais uma vez, eu reitero o que eu disse - ele não está fazendo isso em uma Honda. Ele não está fazendo isso em uma Honda, eu posso te dizer agora”.

Reportagens adicionais de Oriol Puigdemont e Khodr Rawi

Next article
Michelin leva 12 pneus diferentes para Termas de Río Hondo

Previous article

Michelin leva 12 pneus diferentes para Termas de Río Hondo

Next article

Pedrosa: "No Catar não consegui o resultado que era capaz"

Pedrosa: "No Catar não consegui o resultado que era capaz"
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria MotoGP
Pilotos Cal Crutchlow Shop Now
Equipes LCR Honda
Autor Valentin Khorounzhiy