Audi: projeto no WEC não é feito em parceria com Porsche

Dieter Gass, vice-diretor da equipe de Ingolstadt no Mundial de Endurance, afirmou que novo R-18 foi desenvolvido sem nenhuma parceria com a Porsche, que também pertence ao Grupo Volkswagen

Audi e Porsche são duas das marcas sob o guarda-chuva do Grupo Volkswagen nas ruas. Na pista, no entanto, a situação é completamente diferente. Quem garante é Dieter Gass, vice-diretor da equipe de Ingolstadt no Mundial de Endurance.

Em entrevista exclusiva ao Motorsport.com, o dirigente - que substitui Dr. Wolfgang Ullrich, de folga nesta Páscoa, no comando do time - fez questão de ressaltar que as operações das equipes são independentes uma da outra e falou sobre o desenvolvimento do novo R18, que tem a missão de desbancar o atualizado 919 Hybrid na temporada 2016 do WEC

"Nossas operações são separadas no momento. Eles são nossos adversários, queremos vencer a Porsche tanto quanto queremos vencer a Toyota", disse Gass.

Questionado se tal situação poderia mudar no futuro, o dirigente desconversou. "Nunca diga nunca, mas você não espera uma estreita colaboração entre duas fabricantes de carros de rua. Quando você vai a Le Mans, todos querem mostrar do que são capazes e bater os adversários, não trabalhar junto com eles", afirmou.

Ao abordar as pretensões da Audi para a temporada, Gass foi cauteloso, mas otimista quanto ao potencial do time para bater Porsche e Toyota não somente em La Sarthe, mas no campeonato, recuperando assim o título, que ficou com a equipe nas duas primeiras edições do WEC.

“Espero que sim, este é nosso objetivo. Nosso desejo é ser capaz de lutar por vitórias - não somente em Le Mans, mas no WEC como um todo. Se isso vai acontecer, só o tempo dirá. Construímos um carro totalmente novo e os resultados iniciais aqui em Paul Ricard estão muito próximos do que as simulações nos mostraram", disse.

“Entretanto, não sabemos o real potencial de nossos adversários, então precisamos esperar até Silverstone para obter dados mais precisos neste sentido", afirmou.

Dificuldades iniciais com o carro superadas

Gass reconheceu que o desenvolvimento inicial do R18 apresentou problemas para o time de engenheiros, mas garante que tudo foi resolvido e que a equipe pode focar no desenvolvimento do carro sem se preocupar.

“Estamos elevando nossa quilometragem. Inicialmente, precisamos lidar com algumas dificuldades. Ninguém espera construir um carro totalmente novo e sair para uma corrida de 24 horas direto da fábrica e não enfrentar problemas. Mas agora estamos em um bom caminho", disse.

“Com as novas tecnologias, você precisa primeiro lidar com o básico e só então partir para a curva de aprendizado. Não houve uma dificuldade específica que valha a pena mencionar", afirmou.

Uma das principais mudanças no novo R18 está no sistema híbrido: além de ter subido na classe de recuperação de energia - de 4MJ para 6MJ - a equipe abandonou o sistema flywheel, utilizado desde a primeira edição do WEC, em 2012, substituindo-o por baterias de íon-lítio.

Embora Porsche e Toyota utilizem a mesma tecnologia, ambas disputarão o campeonato com 8MJ. Além disso, as rivais utilizam motores movidos a gasolina, enquanto a Audi segue com o diesel como combustível.

“A velocidade de desenvolvimento das baterias trouxe muitos avanços em termos de performance. Estávamos felizes, no início, com o sistema flywheel, mas com os avanços contínuos das baterias nos carros de rua, este conceito se tornou o mais interessante para nós", disse.

“Você olha para o que há no mercado e na própria capacidade em vez de olhar para o que a concorrência está fazendo. Você faz a sua lição de casa, sua análise e opta pelo melhor conceito", completou.

Entrevista por Erwin Jaeggi

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias WEC
Evento Teste oficial de março
Pista Circuit Paul Ricard
Equipes Team Joest
Tipo de artigo Entrevista