Peru coloca realização da edição 2019 do Dakar em dúvida

compartilhar
comentários
Peru coloca realização da edição 2019 do Dakar em dúvida
Sergio Lillo
Por: Sergio Lillo
Traduzido por: Daniel Betting
21 de jun de 2018 17:50

País sul-americano colocou em dúvida sua presença no rali e, como o único país confirmado para a edição de 2019, pressiona os organizadores para reduzir seu aporte econômico

#2 Red Bull KTM Factory Racing KTM: Matthias Walkner
#314 X-Raid Team Mini: Yazeed Al-Rajhi, Timo Gottschalk
#502 Team Kamaz Master: Dmitry Sotnikov, Ruslan Akhmadeev, Ilnur Mustafin
#4 Yamaha Official Rally Team: Adrien van Beveren
#303 Peugeot Sport Peugeot 3008 DKR: Carlos Sainz, Lucas Cruz
#541 Tatra Buggyra Racing: Pavel Vrnak, Peter Lesak, Filip Skrobanek, #532 Tatra Buggyra Racing: Mar
#356 South Racing Can-Am Team: Reinaldo Varela

O futuro da 41ª edição do Raly Dakar está em dúvida. Após a recusa da Bolívia e do Chile em fazerem parte da competição, e após a ASO anunciar que o Peru sediará toda a prova de 6 a 17 de janeiro de 2019, a situação parece estar se voltando contra os interesses da mítica corrida.

Aparentemente, o acordo assinado em 9 de maio entre Etienne Lavigne, diretor do Dakar, o Ministro do Comércio Exterior e Turismo do Peru, o Ministro da Educação e o presidente do Conselho de Ministros, é um documento anterior à assinatura final do acordo, que deve ocorrer até o próximo dia de 30 de junho.

Conforme divulgado nos últimos dias por vários veículos de comunicação peruanos, o governo do país andino estaria disposto a cancelar sua presença na próxima edição do Dakar porque "a análise econômica preliminar" deu resultado negativo.

O Peru teria que pagar cerca de 6 milhões de dólares para a Amaury Sport Organization por ser a sede do raid, além de outras despesas em infraestrutura, segurança e logística, que poderiam chegar a 25 milhões de dólares. No entanto, o retorno econômico que o Peru recebeu por abrigar a largada e as cinco primeiras etapas em 2018 seria de cerca de 40,5 milhões de dólares.

Antes da informação da manobra que o governo de Martín Vizcarra estaria disposto a fazer, vários pilotos peruanos participantes do Dakar enviaram um comunicado para defender a celebração do evento. Um total de 25 nomes aparecem na carta enviada ao presidente do país.

Portanto, esta quinta-feira é um dia chave para o futuro do lendário rali. Conforme anunciado pelo presidente do Conselho de Ministros do país, César Villanueva, ás 19h, horário local (21h horário de Brasília), será comunicada a decisão tomada após as reuniões dos últimos dias.

"É óbvio que o rali atrai os olhos para o Peru e estamos em um bom momento econômico e isso seria uma vitrine para promover o nosso país, queremos fazer todos os esforços possíveis para fazer o Dakar 2019, mas isso será determinado nas próximas horas", disse o político ao jornal peruano Gestión.

Procurada pelo Motorsport.com, a ASO não quis comentar o assunto, mas parece que eles já fizeram a primeira análise para começar a preparar o road book da corrida.

O Peru sabe que tem poder de barganha, uma vez que é a única opção para o Dakar e quer reduzir sua contribuição econômica para a organização da corrida. Eles vão conseguir?

Next article
Dakar inicia negociações com países africanos para 2020

Previous article

Dakar inicia negociações com países africanos para 2020

Next article

Dakar confirma Peru como única sede da edição 2019

Dakar confirma Peru como única sede da edição 2019
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Dakar
Autor Sergio Lillo