Alonso: Falta de ação na pista me levou a desistir da F1

compartilhar
comentários
Alonso: Falta de ação na pista me levou a desistir da F1
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
16 de ago de 2018 18:31

Espanhol diz que falta de bons resultados não foi o motivo de desistência da categoria

Fernando Alonso anunciou nesta semana que não competirá na F1 em 2019, mas não descartou um retorno a longo prazo se a oportunidade certa surgisse.

Falando pela primeira vez após o anúncio nesta quinta-feira, Alonso disse que a previsibilidade das corridas e a falta de emoção provaram ser grandes desvios a ele.

"A ação na pista não é a que eu sonhei quando entrei na F1 ou quando estive em categorias diferentes, ou a ação na pista que experimentei em outros anos", disse Alonso, falando antes da etapa do WEC deste fim de semana em Silverstone, onde ele estará guiando para a Toyota.

“Parei porque a ação na pista, na minha opinião, é muito ruim. Na verdade, o que falamos mais na F1 está fora da pista.”

“Nós falamos sobre polêmicas. Nós falamos sobre mensagens de rádio. Nós falamos sobre todas essas coisas, e quando falamos tantas vezes sobre essas coisas, é um mau sinal.”

“É porque a ação na pista estava muito ruim naquele fim de semana, e é isso que sinto na F1 agora, e acho que há outras séries que talvez ofereçam melhor ação, mais alegria e mais felicidade, então é isso que eu tente encontrar."

Embora Alonso admita que uma perspectiva realista de conquistar um terceiro título mundial em 2019 poderia ter sido suficiente para convencê-lo a ficar, está claro que a F1 se tornou algo que não o entusiasma mais.

“Quando estive em 2003, 2004, 2008, 2009 e 2011, não estava ganhando nenhuma corrida nesses anos. Mas era difícil prever o que poderia acontecer em Spa e Monza.”

“Agora, podemos anotar o que vai acontecer em Spa e Monza. Podemos colocar as primeiras 15 posições com talvez um ou dois erros. Então, como tudo se tornou previsível é difícil.”

“Nós vamos para Barcelona e testamos no primeiro dia e você sabe o que vai fazer até novembro em Abu Dhabi e é difícil. Para mim, não é um problema muito grande porque depois de 18 anos, como eu disse antes, consegui mais do que sonhei.”

“Mas para os jovens pilotos ou pilotos diferentes, é difícil, porque eles só esperam que no próximo ano a equipe dê um passo inacreditável ou recebam um telefonema de uma ou duas equipes. Ficou difícil para pilotos ambiciosos. Um piloto com algum tipo de ambição, será difícil para o futuro se as coisas não mudarem.”

Portas abertas

Alonso só espera firmar seus planos para 2019 no final deste ano, com ele avaliando as opções.

Mas apesar de não correr na Fórmula 1 em 2019, ele deixou claro que está aberto a um retorno a partir de 2020.

"Acho que a porta aberta é mais porque acho que estou guiando no melhor nível da minha carreira agora", explicou. "E por que fechar as portas se algo acontecer no futuro?”

"Eu ainda sou jovem. Eu não tenho 45 anos. Eu me sinto forte e estou fazendo este ano 27 corridas, então meu pensamento é parar. E é por isso que eu paro. Mas quem sabe?”

Próxima Fórmula 1 matéria
Alonso admite que pode testar carro da Indy

Previous article

Alonso admite que pode testar carro da Indy

Next article

Ericsson vê Leclerc como companheiro mais complicado na F1

Ericsson vê Leclerc como companheiro mais complicado na F1
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Fernando Alonso Shop Now
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias