Análise: A Liberty salvará a Force India da guerra da F1?

compartilhar
comentários
Análise: A Liberty salvará a Force India da guerra da F1?
Por: Charles Bradley
2 de ago de 2018 11:02

Proprietária da categoria enfrenta a maior crise desde o começo de sua gestão, com três equipes bloqueando plano de resgate inicial para salvar a Force India

Apesar de todos os seus esforços até agora, a Liberty não conseguiu convencer a Renault, McLaren ou Williams a assinar um acordo que efetivamente daria nova vida à Force India.

Sob os termos dos acordos bilaterais entre as equipes e os detentores dos direitos comerciais da F1, um time estando em administração (status atual da Force India) é considerado uma nova entidade e só pode reter seus direitos a prêmios em dinheiro se todas as equipes concordarem.

A partir de agora, Renault, McLaren e Williams se recusam a fazer isso.

Em um primeiro momento, isso parece oportunismo: chutar um rival quando ele está por baixo. No entanto, a palavra no paddock é que nem o despeito nem o dinheiro estão no cerne deste assunto, mas a sua real preocupação é que a Force India esteja sendo preparada pela Mercedes para se tornar uma "equipe escrava".

Eles acreditam que isso serviria para aumentar a base de poder de uma das duas principais fabricantes, em detrimento do esporte em geral.

Alguns dentro do paddock acreditam que a Ferrari e a Mercedes ampliaram demais as fronteiras das equipes clientes, e que a Mercedes, tendo um papel central na aquisição da Force India, acrescentaria mais força ao domínio da fabricante alemã na F1.

Esteban Ocon, Force India VJM11, leads Sergio Perez

Esteban Ocon, Force India VJM11, leads Sergio Perez

Photo by: Manuel Goria / Sutton Images

O problema de US$ 70 milhões

As recentes performances da Force India na pista não foram acompanhadas por sua situação financeira. O proprietário, Vijay Mallya, tem enfrentado questões legais bem documentadas na Índia.

Um fornecedor técnico lançou recentemente um pedido de liquidação contra a equipe de Silverstone, que poderia ter provocado sua insolvência.

Assim, a mudança para a administração judicial seguiu uma ação liderada pelo piloto Sergio Pérez. Um juiz da Suprema Corte decidiu a favor disso na sexta-feira, com a FRP Advisory sendo nomeada para ver o que pode ser feito pelos credores e garantir o futuro da equipe.

As duas últimas equipes da F1 a falirem - Caterham e Manor - entraram em administração judicial, mas não conseguiram sair com um comprador confiável, embora o esforço da Manor mais recentemente tenha nascido depois da Marussia ter sido resgatada em administração no início de 2015 (você também pode se lembrar que a Force India tentou impedi-la de usar um carro de 2014).

O valor da Force India - ter terminado em quarto nas duas últimas temporadas no campeonato de construtores - é muito maior aos olhos dos potenciais compradores.

A menos que a Liberty obtenha a unanimidade das equipes, algo em torno de US$ 70 milhões em prêmios em dinheiro será excluído de qualquer acordo. Dentro do contexto, isso é pelo menos metade do orçamento anual total da equipe.

Pior do que isso, a forma como o fundo de prêmios da F1 funciona é que a equipe precisaria terminar no top-10 em dois dos próximos três anos para poder receber qualquer dinheiro. Isso significa, na verdade, que não haverá renda de prêmios até 2021 - a menos que, novamente, as outras equipes concordem.

Você pode pensar que, como proprietária da F1, a Liberty poderia simplesmente se apropriar dos fundos da maneira que julgar mais adequada. Mas os acordos bilaterais de Concorde são documentos complexos que não permitem margem de manobra, portanto, talvez seu único recurso seja fazer um pagamento único de "resgate" para compensar o déficit. No entanto, isso criaria um precedente perigoso.

Um insider da F1 comparou a escala desta crise à crise financeira global de 2008 e aponta que o gigante bancário, Lehman Brothers, entrou em colapso antes que planos de emergência fossem implementados.

Hoje, parece que a Renault, McLaren e Williams estão prontas para jogar duro em defesa de suas próprias posições no esporte, e que um colapso no estilo Lehman de um rival pode ser visto como um preço que vale a pena pagar para conseguir isso.

É algo desagradável para eles também, mas é claramente um caso de lutar no seu próprio canto ou arriscar sua própria morte. Para complicar ainda mais a situação, a Williams é uma cliente da Mercedes, e na semana passada foi relatado que estava discutindo um aumento no acordo para incluir os câmbios.

Mas a perspectiva de que a Force India (ou qualquer outro nome que assuma no futuro) tenha laços concretos com a equipe de trabalho certamente enfraqueceria a posição de Williams. A menos que haja mais barganha...

Ron Dennis deu as boas-vindas a Eddie Jordan ao 'Piranha Club' quando ele se juntou à F1 em 1991. Ao longo da história do esporte, os predadores do paddock pareciam prontos e dispostos a usar um dos seus próprios para o que eles vêem ser o bem maior.

Desta vez, no entanto, o custo não seria pequeno - mas o "antigo" time de Jordan, o time de maior sucesso nos últimos tempos.

A Liberty realmente permitirá que isso aconteça?

Chase Carey, Chief Executive Officer and Executive Chairman of the Formula One Group with Robert Fearnley, Force India F1 Team Deputy Team Principal

Chase Carey, Chief Executive Officer and Executive Chairman of the Formula One Group with Robert Fearnley, Force India F1 Team Deputy Team Principal

Photo by: Rubio / Sutton Images

Próxima Fórmula 1 matéria
Empresa de bebidas insiste em compra de Force India

Previous article

Empresa de bebidas insiste em compra de Force India

Next article

Haas: Comissários da F1 são influenciáveis por reputação

Haas: Comissários da F1 são influenciáveis por reputação
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes McLaren Shop Now , Force India , Williams , Renault F1 Team
Autor Charles Bradley
Tipo de matéria Comentários