FIA: F1 não tem "ofertas sérias" para aumentar grid

compartilhar
comentários
FIA: F1 não tem
Por: Lawrence Barretto
Traduzido por: Gabriel Lima
6 de set de 2017 12:44

Presidente diz não ter propostas boas como a da Haas em 2016 para a próxima temporada e crê em grid com 20 carros

Jean Todt and Felix Rosenqvist, Mahindra Racing
Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W08, Kimi Raikkonen, Ferrari SF70H, Max Verstappen, Red Bull Racing RB13, Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13, at the start
The start of the race
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17 at the start of the race
Denis Coderre, Mayor of Montreal, Jean Todt
Jean Todt, FIA President, Chase Carey, Chief Executive Officer, Executive Chairman of the Formula One Group

Mesmo com a segunda tentativa do sérvio Zoran Stefanovic de fazer um time de Fórmula 1 para o próximo ano, o presidente da FIA, Jean Todt, diz que não há nenhum candidato com equipe preparada o suficiente para estar no grid em 2018.

Apesar de Todt ter tido contato de candidatos interessados, ele não vê nada sério o suficiente para garantir que a FIA abra um concurso para um novo time no grid.

"Não é algo que vou comentar como uma oferta muito séria", disse Todt quando perguntado se tinha tido qualquer oferta razoável.

"Quando vimos que havia uma oferta séria, como quando a Haas chegou à Fórmula 1, entendemos que havia algum interesse sério. Então criamos um concurso."

Anteriormente, a F1 tinha uma capacidade máxima de 26 carros no grid e não apresenta este número de carros em seu grid desde o meio da temporada de 1995.

Todt disse que o acordo atual é ter um grid de 24 carros, mas comentou "nunca diga nunca" quanto à possibilidade de receber uma 13ª equipe se a situação acontecer.

"No momento, temos 10 equipes na F1", disse Todt em uma conferência de imprensa do FIA Action for Road Safety em Monza.

"Temos um bom campeonato. O número máximo de equipes que aceitamos é 12, então estou feliz em ouvir boas propostas.”

"Estamos trabalhando para ter um campeonato ainda melhor, mas os acordos que temos são para um máximo de 12 equipes."

Com apenas cinco meses e meio até os testes de pré-temporada para 2018, uma nova equipe receberia aprovação apenas para 2019.

Próxima Fórmula 1 matéria
Nelson Piquet 'estreia' falando de preferências históricas

Previous article

Nelson Piquet 'estreia' falando de preferências históricas

Next article

Horner: “Motores híbridos não fizeram nada positivo para F1”

Horner: “Motores híbridos não fizeram nada positivo para F1”
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Lawrence Barretto
Tipo de matéria Últimas notícias