Magnussen defende estilo e se diz pronto para “morrer” na F1

Dinamarquês explica por que arrisca ao máximo em posições no pelotão intermediário: “Às vezes, você não tem nada a perder”

Considerado um dos pilotos mais agressivos da F1 atual, Kevin Magnussen defendeu seu estilo e afirmou que se, se necessário, estaria disposto a morrer dentro do carro para manter seu grau de competitividade. 

O dinamarquês já foi alvo de críticas de rivais pela forma com que disputa posições – inclusive, no GP do Azerbaijão, Pierre Gasly afirmou que Magnussen era o piloto mais perigoso contra quem já havia corrido, instantes após um lance assustador entre os dois. 

“Eu não gosto de meios termos. Eu dou tudo. Eu vou morrer no carro, não vou recuar”, disse Magnussen, segundo a agência de notícias Reuters. “Eu daria a minha vida, totalmente. Quando você coloca um capacete e está em uma corrida, descobre que está lá tudo o que existe no mundo.”

“Amo minha família, e há muitas coisas das quais gosto na vida, mas, quando estou no carro, não há nada mais que importa. Para mim, quando estou no carro, a essência da vida é a F1.”

O piloto da Haas explicou por que prefere arriscar ao máximo em suas disputas por posição. “Em uma situação como essa, com uma equipe intermediária, você não tem garantias de que vai marcar pontos. E, às vezes, você não tem nada a perder.”

“Você pode receber uma punição, pode perder sua asa dianteira, mas não há nada a perder se você estiver em 11º. Então, vá para cima. Às vezes, você precisa ser mais agressivo quando está disputando.”

“Se você estiver lutando pelo campeonato, precisa pensar no campeonato como um todo, e aí tem de mudar a abordagem. Se eu estivesse lutando pelo título, você não me veria competindo da mesma forma.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias