Prost: Renault esteve "muito perto" de desistir da F1

compartilhar
comentários
Prost: Renault esteve
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
21 de dez de 2015 12:07

Alain Prost revelou que fabricante francesa considerou seriamente voltar atrás no retorno à F1 como equipe antes que o CEO Carlos Ghosn finalmente se convencesse dos benefícios de permanecer no esporte

Scuderia Toro Rosso STR10
Red Bull Racing, Renault Sport F1
Renault Sport F1 employee
Pastor Maldonado, Lotus F1 E23 passa por uma propaganda da Renault
Cyril Abiteboul, Renault Sport F1 Managing Director in the FIA Press Conference
Alain Prost, Renault e.Dams
Alain Prost and Jean-Paul Driot, Renault e.Dams team owners
Renault e.Dams
Fernando Alonso, Renault F1 Team, R28, Nico Rosberg, WilliamsF1 Team, FW30
First victory for a Renault F1 car: Jean-Pierre Jabouille in a double turbo-charged RS 10

O retorno da Renault com equipe própria virou uma novela que se arrastou por meses e, apesar de ter confirmado a compra da Lotus, a fabricante francesa esteve próxima de cancelar o negócio. Preocupada com o orçamento necessário para voltar para a Fórmula 1 e insatisfeita com os termos de direitos comerciais oferecidos por Bernie Ecclestone, os franceses esticaram as negociações até o início da pós-temporada, quando finalmente confirmaram a volta para a categoria.

Alain Prost, que possui ligações estreitas com a Renault e esteve significativamente envolvido nas conversas sobre a volta dos franceses para a Fórmula 1, revelou ao Motorsport.com que durante o final de semana do GP de Abu Dhabi a situação não indicava um final positivo.

"Em Abu Dhabi, a situação era praticamente de desistência. Carlos Ghosn (CEO do grupo Renault) foi quem decidiu, era ele quem precisava fazer isso. Mas, sim, uma desistência esteve muito perto de acontecer", disse. 

Decisão difícil

Prost acrescentou que a gerência da Renault na F1 teve que trabalhar muito para apresentar a Ghosn um pacote que o agradasse e que, consequentemente, fosse aprovado. Apesar do longo tempo para que a decisão fosse oficializada, o ex-piloto acredita que o resultado é um sinal do quanto os franceses estão interessados e comprometidos com a categoria.

"Foi complicado, sem dúvida. O processo foi longo por tudo o que aconteceu com a Red Bull. Permanecer apenas como fornecedora não era a escolha certa para o futuro. Voltar como equipe é uma responsabilidade e tanto.

É necessário compreender que eles precisavam de tempo para decidir. Todos sabemos que, nesta companhia as coisas podem levar algum tempo, mas quando eles se comprometem é para valer"

Longo caminho para retornar ao topo

Ghosn já havia ressaltado que a Renault demorará para voltar ao topo e ser totalmente competitiva, algo com o qual o tetracampeão concorda.

"Vai levar um bom tempo para que ser competitivo novamente. Ghosn falava em três anos e creio que isso seja o mínimo. Será uma tarefa muito difícil. Minha filosofia, no entanto, é que esse é um novo projeto, uma nova história. O importante é criar uma estratégia para construir essa história e progredir. Você não precisa vencer no próximo ano, é um projeto de longo prazo"

Participação na equipe

Prost tem sido ligado a uma vaga entre os dirigentes da equipe, mas nenhuma decisão foi tomada até o momento. Ghosn disse que o anúncio oficial sobre a gerência do time e dos pilotos será feito no Ano Novo. 

"Esperarei por janeiro e então veremos como será a organização e se poderei fazer parte dela. Mas estou bastante aberto a isso, ainda estamos conversando. Mas precisamos ter uma noção mais precisa de todo o cenário", completou.

Entrevista por Federico Faturos

Próxima Fórmula 1 matéria
Análise: o custo real do patrocínio da PDVSA a Maldonado

Previous article

Análise: o custo real do patrocínio da PDVSA a Maldonado

Next article

Raikkonen rouba cena em vídeo de natal da Ferrari

Raikkonen rouba cena em vídeo de natal da Ferrari
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Red Bull Racing Shop Now
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias