Renault diz que sofreu “dano colateral” na briga entre Mercedes e Ferrari

compartilhar
comentários
Renault diz que sofreu “dano colateral” na briga entre Mercedes e Ferrari
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
11 de out de 2018 21:47

Diretor-executivo, Cyril Abiteboul admite que equipe ficou para trás no desenvolvimento de unidade de potência

A Renault começou a temporada de 2018 com força e parecia ter se estabelecido como a equipe líder por trás dos três melhores times antes das férias de verão.

Nico Hulkenberg disse que a equipe não era mais rápida o suficiente para lutar contra seus principais rivais.

O diretor-executivo da Renault F1, Cyril Abiteboul, diz que vários fatores contribuíram para a situação da Renault, mas o principal deles é que o motor não acompanhou as atualizações de seus concorrentes.

"Vemos que estamos em um meio de grid muito competitivo, com a maioria dos carros ao nosso redor se beneficiando e acompanhando o desenvolvimento dos melhores times, Mercedes e Ferrari, que realmente estão brigando pelo campeonato", disse Abiteboul ao Motorsport.com.

"Na minha opinião, somos quase um dano colateral. Estamos vendo Ferrari tendo, em algum ponto, uma vantagem sobre a Mercedes, e depois uma taxa muito forte de desenvolvimento da Mercedes para recuperar o atraso.

"Sob os regulamentos atuais, isso está tendo um impacto positivo em todas as outras equipes [clientes], então a Force India, a Haas e a Sauber ganharam com essa briga entre os dois.

"Estamos em isolamento. Não é um problema porque somos o fabricante, temos total responsabilidade, mas precisamos fazer tudo para progredir."

Abiteboul acredita que a situação do motor disfarçou o progresso de sua equipe, mesmo que suspeite que possa precisar verificar quão bem algumas atualizações funcionaram.

"O chassi está progredindo, mas o chassi não está progredindo a uma taxa que pode compensar a taxa de desenvolvimento das equipes principais ou a falta de melhoria do motor, porque a especificação do motor não mudou realmente desde Montreal.”

"Mas, além disso, o carro pode não estar no seu potencial máximo porque tivemos muitas evoluções.”

"Podemos precisar revisitar alguns deles, e talvez tenhamos algumas evoluções que não estão funcionando da maneira que queremos, então é muito difícil dar uma conclusão definitiva."

Abiteboul diz que a conclusão já alcançada é que a Renault precisará elevar seus níveis de agressividade com sua unidade de potência em 2019, além de garantir que ela comece a melhorar sua operação em Enstone.

"Vemos que não podemos nos dar ao luxo de impulsionar maciçamente o desenvolvimento do motor e estamos atualmente olhando as metas para o próximo ano, e essas metas serão extremamente agressivas", disse ele.

"Do lado do chassi, precisamos aceitar que é um processo de longo prazo e Enstone cresceu muito rapidamente.”

"Mas não é apenas sobre o tamanho, é sobre a maneira como as pessoas estão interagindo entre si, e Marcin [Budkowski] agora está totalmente no comando em Enstone.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Fórmula 1 precisa de uma guerra de pneus, diz Hakkinen

Previous article

Fórmula 1 precisa de uma guerra de pneus, diz Hakkinen

Next article

Williams anuncia Russell para temporada 2019

Williams anuncia Russell para temporada 2019
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias