Renault: McLaren não influenciará no motor antes de 2020

compartilhar
comentários
Renault: McLaren não influenciará no motor antes de 2020
Por: Ben Anderson
7 de fev de 2018 14:20

Cyril Abiteboul se disse disposto a sugestões, mas afirmou que nova parceira só terá influência no desenho de seu motor “do médio para o longo prazo”

Jolyon Palmer, Renault Sport F1 Team RS17, Stoffel Vandoorne, McLaren MCL32 battle for position
Jolyon Palmer, Renault Sport F1 Team RS17, Stoffel Vandoorne, McLaren MCL32 and Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W08
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team Team RS17, Stoffel Vandoorne, McLaren MCL32
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17, Fernando Alonso, McLaren MCL32
Fernando Alonso, McLaren MCL32, Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17, Carlos Sainz Jr., Renau

A Renault está aberta à possibilidade de a McLaren influenciar o projeto de seu motor na F1, mas afirmou que é improvável que a equipe tenha algum impacto até que a parceria entre em sua terceira temporada.

A McLaren desistiu do status de equipe oficial com a Honda para se tornar cliente da Renault em um programa que vai até o fim de 2020, quando o ciclo dos atuais V6 chegará ao fim.

Enquanto equipe oficial da Honda, a McLaren podia interferir no desenho e instalação da unidade japonesa, incluindo a presença de funcionários na sede da Honda, em Sakura, e até mesmo colaborando no desenho de alguns componentes elétricos da unidade.

Mas, ao voltar ao status de cliente, a McLaren terá de ajustar seu chassi de 2018 a qualquer produto que a Renault entregar.

A McLaren espera poder influenciar o motor Renault de forma parecida com a que fazia com a Honda com o desenrolar da parceria, mas o chefe da marca francesa, Cyril Abitebou, disse ao Motorsport.com que o acordo veio tarde demais para a McLaren ter poder imediato no projeto.

Abiteboul disse que a Renault estaria “aberta a qualquer sugestão”, mas alertou a McLaren de que eles terão provavelmente e esperar até o fim de seu acordo inicial de três temporadas para dizer algo.

“É um pouco complexo. Antes de tudo, desenvolvemos uma unidade de potência completa antes de trabalhar com a McLaren, então não é como era com a Honda, onde a Honda dependia da McLaren. Temos todos os parâmetros da unidade de potência sob nossa responsabilidade”, disse.

“Acho que teremos de levar passo a passo. Queremos ser muito pragmáticos. Claramente para 2018 e para 2019 é muito tarde para a McLaren ter alguma influência na parte física do motor.”

“Tendo dito isso, queremos ser humildes. Aceitamos que podemos melhorar nosso produto, temos que melhorar nosso produto e estaremos abertos às suas sugestões.”

“Acho que é algo mais para o médio e longo prazo. Primeiro, temos de aceitar que é uma nova relação. Temos que ver como ela evoluirá, mas, se estiver funcionando bem, se for uma relação positiva e frutífera, então não haverá motivos para que ela não vá além do atual ciclo de regras.”

“E, portanto, podemos ter uma forma diferente e mais conectada de trabalhar juntos do médio para o longo prazo. Mas não é algo que aconteça antes de 2020, na minha opinião.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Vasseur: “Mudanças não deixarão F1 de cabeça para baixo”

Previous article

Vasseur: “Mudanças não deixarão F1 de cabeça para baixo”

Next article

Sirotkin se defende de acusações de ser "piloto pagante"

Sirotkin se defende de acusações de ser "piloto pagante"
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes McLaren Shop Now
Autor Ben Anderson
Tipo de matéria Últimas notícias