Conheça os motivos que fizeram Montreal sair da F-E

Nova prefeita de Montreal, Valérie Plante, declarou que sua administração não receberia a prova da F-E nesta temporada. Aqui está a visão local dos motivos disso ter acontecido

Valérie Plante não têm nada pessoal contra a Fórmula E, mas decidiu quebrar o contrato com a categoria e cancelar as corridas de 2018 e 2019 por uma razão significativa aos seus olhos.

Seu raciocínio era a completa falta de transparência da antiga administração da cidade e o caos que a corrida causou aos cidadãos em 2017.

Em outras palavras, ela disse "sim" para uma corrida de Fórmula E, mas não a qualquer custo.

A ideia de organizar uma corrida de Fórmula E nas ruas de Montreal veio do ex-prefeito, Denis Coderre. Para ele, Montreal foi uma das cidades mais inovadoras do mundo para a promoção de veículos de emissão zero e meios de transporte limpos.

O Sr. Coderre esteve presente na corrida da Fórmula E em Miami, em março de 2015, e conseguiu adicionar a cidade ao calendário durante a terceira temporada.

Sua administração criou então uma organização sem fins lucrativos chamada 'Montréal, c'est électrique' para ser a organizadora da corrida. E então, foi um apagão total. Nenhuma novidade. Nada. Nós, como jornalistas, não conseguimos ter informações sobre o evento.

Durante meses, os moradores que viviam perto da área do futuro circuito de rua tiveram que suportar o barulho constante da construção 24 horas por dia, sete dias por semana e engarrafamentos gigantescos.

Isso gerou muita frustração da população local. Durante meses, as únicas notícias sobre o ePrix eram negativas.

Residentes em Montreal e Quebec normalmente são fãs de corridas apaixonados. No entanto, a data do primeiro ePrix causou problemas. Agendada no final de julho, foi durante as férias, algumas semanas após o GP de F1 e uma semana antes do GP de Trois-Rivières.

Outro problema foi a ausência de corridas de apoio e a falta de um piloto local. A presença de um Patrick Carpentier ou de um Jacques Villeneuve para animar teria ajudado a atrair mais espectadores, sem dúvida.

A rodada dupla e a definição do campeonato foram realizados em frente a tribunas que estavam com metade da lotação. Tornou-se público meses depois que vários milhares de ingressos foram distribuídos gratuitamente, para compensar os números. Em vez de ser um evento divertido, a corrida se tornou uma grande irritação para uma boa parte da população.

Durante a campanha eleitoral da prefeitura (que estava correndo contra o Sr. Coderre) repetiu que não desejava marcar outra corrida nas ruas do centro de Montreal, e a conta precisava ser paga pelos investidores privados. O primeiro ePrix foi fortemente subsidiado pelo dinheiro dos contribuintes.

Depois de sua eleição como nova prefeita, ela enfrentou um grande déficit orçamentário e começou a fazer contas. Se a corrida fosse para continuar, teria que ser transferida para um novo local.

O circuito de Gilles Villeneuve estava fora de questão, já que a construção do novo edifício de pits começará no início de julho do próximo ano. Reenviar a corrida a outro lugar de Montreal era viável, mas "teria custado entre 30 e 35 milhões de dólares", afirmou.

A terceira solução seria desistir de 2018 e reintegrar a prova em 2019, "mas isso não resolveria o problema do déficit e a falta de investidores privados", acrescentou.

A realidade é que a Sra. Plante teve uma oportunidade de ouro para dissociar completamente sua administração do gabinete anterior, do Sr. Coderre.

A Sra. Plante pretende manter os custos de Montreal sob controle rigoroso. Para ela e seus colegas, organizar um ePrix que custa mais dinheiro do que o GP de F1 atrai muito menos espectadores e causa grandes distúrbios na cidade por semanas era um absurdo.

Talvez um dia o circo da Fórmula E volte para Montreal, mas será incontestável que será para um novo local e sob os termos de um novo contrato.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula E
Evento ePrix de Montreal
Pista Ruas de Montreal
Tipo de artigo Análise