Renault estima ganho de quase 1s com motor em 2017

compartilhar
comentários
Renault estima ganho de quase 1s com motor em 2017
Por: Ben Anderson
20 de dez de 2017 10:58

Fabricante francesa reconhece problemas de confiabilidade, mas considera que, no geral, ano foi bastante positivo para suas intenções

Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17
Carlos Sainz Jr., Renault Sport F1 Team, Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17 sparks
Nico Hulkenberg, Renault F1 Team RS17
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17
Cyril Abiteboul, Managing Director, Renault Sport F1 Team
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17
Carlos Sainz Jr., Renault Sport F1 Team RS17
Carlos Sainz Jr., Renault Sport F1 Team RS17
Carlos Sainz Jr., Renault Sport F1 Team RS17

A Renault  quantificou seus ganhos em termos de tempo de volta obtidos ao desenvolver um motor inteiramente novo para a temporada de 2017 da F1.

A fabricante francesa alterou substancialmente seu propulsor para 2017 após decidir que a especificação antiga já havia esgotado seu potencial de desenvolvimento.

A nova unidade de potência se mostrou pouco confiável e não conseguiu utilizar um MGU-K mais leve, mas produziu performance suficiente para proporcionar que a Red Bull vencesse os GPs da Malásia e do México.

O chefe da equipe na F1, Cyril Abiteboul, afirmou que o novo motor superou as expectativas de ser 0s3 mais veloz que a unidade de 2016 e que acrescentou a mesma quantia de performance durante a temporada de 2017.

“Essa foi a meta que traçamos para nós mesmos, mas, na verdade, durante a temporada, nós conseguimos descobrir novas formas de lidar com o motor e extrair performance extra”, disse Abiteboul ao Motorsport.com.

“O motor em si, entre o fim da última temporada e o fim desta, melhorou mais ou menos perto de 1s – quando o usamos em seu potencial máximo, o que não é algo que faríamos permanentemente. Isso é simplesmente enorme.”

“Isso não aconteceu sem certo impacto na confiabilidade, o que claramente foi o grande ponto negativo da temporada, mas claramente o que fizemos com o motor em termos de performance é algo com o qual nunca iríamos sonhar, sendo sincero.”

“É muito mais do que esperávamos conseguir alcançar.”

Orgulhoso do carro de 2017

Apesar de a equipe oficial da Renault ter falhado por pouco em cumprir a “agressiva” meta de terminar o Mundial de Construtores em quinto, Abiteboul afirmou que a equipe pode se sentir “muito orgulhosa” por desenvolver um carro que era o quarto mais veloz no encerramento da temporada, em Abu Dhabi.

“Do lado do chassi, acho que está muito claro que tivemos um muito decente a partir de Silverstone, o que é um crédito à equipe que está tomando boa forma agora”, acrescentou Abiteboul.

“Se você olhar o ritmo do carro, desde Silverstone tivemos um mais ou menos em quarto em termos de potencial de performance, o que não era algo que poderíamos ver sempre devido aos problemas de confiabilidade.”

“Claramente, ter o quarto melhor carro no grid é algo do qual podemos ficar muito orgulhosos – se olharmos onde estávamos no ano passado e também a forma com que começamos este ano.”

“A equipe continua a crescer, tanto em termos de quantidade, mas também de qualidade – com pessoas que chegam às manchetes, mas também pessoas mais discretas, que também dão impacto positivo à nossa estrutura.”

“Estamos satisfeitos com os planos em termos de investimento, de contratações, de mudanças organizacionais, patrocínio. Então, no geral, acho que 2017 foi um ano positivo.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Alemanha garante transmissão da F1 em TV aberta até 2020

Previous article

Alemanha garante transmissão da F1 em TV aberta até 2020

Next article

Ferrari prefere não se arriscar com Maserati na F1

Ferrari prefere não se arriscar com Maserati na F1
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Renault F1 Team
Autor Ben Anderson
Tipo de matéria Últimas notícias