Na Stock em 2018, Nelsinho diz que WEC estagnou aprendizado

Primeiro campeão da Fórmula E diz querer passar mais tempo no Brasil e que sentia não aprender muito no Mundial de Endurance

Como antecipado pelo Motorsport.com, Nelsinho Piquet correrá na próxima temporada pela Stock Car. O piloto ocupará a vaga de Allam Khodair na equipe Full Time com o patrocínio da Texaco/Havoline. Piquet, que usará o número 33, terá um acordo inicial de um ano, que poderá se estender após sua primeira experiência a partir do ano que vem.

Anunciando a novidade nesta sexta (8) em Interlagos, Nelsinho diz que o maior aprendizado na Stock e o maior tempo que passará no Brasil foram fatores chave para sua decisão.

“Deve ser uma surpresa para muita gente”, iniciou Piquet.

“Mas, para mim, é uma oportunidade muito boa. Neste ano e no ano passado eu fiz o WEC paralelamente à Fórmula E. É uma categoria muito boa, com bons nomes e grandes fábricas. Mas senti que não estava aprendendo muito. E, para mim, mesmo com 20 anos de carreira, quero continuar aprendendo. Tem sempre algo a aprender.”

“Não foi simplesmente uma decisão comercial. Foi uma situação certa. Vou aprender muito, vou ter engenheiros bons e companheiros bons. Vou ter uma chance de evoluir. O nível que eles têm aqui é muito bom e vou estar trabalhando com o Felipe Vargas (engenheiro), que esteve comigo quase a minha vida toda.”

“E tem o Maurício (Ferreira, chefe da Full Time) também. Já falávamos há anos de fazer isso acontecer e todo ano batia na trave por alguns motivos aqui e ali. Mas neste ano fizemos o gol.”

“Sempre tive vontade de vir um pouco mais para o Brasil. Em vários anos, consegui vir para cá apenas uma ou duas vezes, por cinco ou dez dias no máximo – muito pouco. A meta é aprender e passar mais tempo no Brasil, conhecer mais a imprensa e os fãs brasileiros que podem acompanhar a Stock Car e não podem ir para fora. O quebra-cabeça juntou, e para mim foi uma decisão boa.”

Perguntado pelo Motorsport.com se iria conseguir conciliar as temporadas completas de Fórmula E e Stock Car, Nelsinho disse que torce para que isso ocorra apesar de não haver confirmação do calendário de 2018 da Stock.

“A Stock Car está trabalhando para não bater nenhuma data. Então, acho que temos grandes chances de não bater. Eu acho que não vai bater, mas, caso bata, como meu contrato foi assinado primeiro com a Fórmula E. Então, esta vai ser a prioridade. Mas eu espero que não bata nenhuma prova e eu possa fazer o campeonato todo.”

“Mas se bater uma ou duas provas, não é o fim do mundo. No primeiro ano eu vou estar aprendendo de qualquer forma, e isso demora. Os pilotos têm um nível altíssimo aqui, então não vai ser chegar e começar andando na frente. Vão ter corridas boas e vão ter corridas ruins. Vai ter uma fase de aprendizagem grande.”

Ainda assim, Nelsinho diz que busca vaga para correr as 24 Horas de Le Mans.

“Estamos em negociação. É óbvio que com a minha escolha de fazer a Stock Car e não o WEC dificulta, porque não posso fazer o campeonato todo. Então, precisamos encontrar vaga em alguma equipe que aceite que eu faça apenas algumas provas, com uma delas sendo Le Mans. Estamos tentando.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Stock Car Brasil
Evento Interlagos
Pista Autódromo José Carlos Pace
Pilotos Nelson Piquet Jr.
Tipo de artigo Últimas notícias